Samsung e Mastercard anunciaram uma parceria para criar um cartão de crédito com um leitora de impressão digital integrada. Esses chamados “cartões biométricos” virão com “vários chips importantes” da parte da Samsung e, se tudo sair como o planejado, devem ser compatíveis com qualquer maquininha que aceite pagamentos com chip da Mastercard.

A Mastercard vem brincando com a ideia da biometria desde 2017, quando a empresa anunciou um programa piloto de um cartão biométrico semelhante, com autenticação de pagamentos feita colocando o polegar em um chip embutido no plástico. Se o número PIN de uma pessoa corresponder à impressão digital associada ao cartão, o pagamento seria efetuado.

A nova colaboração da Samsung, por sua vez, planeja acabar totalmente com as senhas. De acordo com o anúncio, tudo o que alguém precisa fazer para autenticar um pagamento é colocar o polegar em um dos chips embutidos no cartão. O plano é permitir “interações mais seguras com pontos de contato físicos reduzidos”, dispensando a necessidade de sequer se incomodar em tocar em um teclado nojento.

Por um lado, usar esses sistemas significa que você está confiando na Mastercard para manter seus dados biométricos seguros. Considerando algumas das histórias de vazamento de dados biométricos nos últimos anos, pode ser difícil convencer alguns clientes. Mas, por outro lado, esses riscos de segurança podem valer a pena para quem deseja adotar uma forma de pagamento sem contato.

poucas evidências de que o contato com uma superfície — entre o dedo e o teclado de uma maquininha de cartão, por exemplo — tenha um papel importante na transmissão de Covid-19. Mesmo assim, muitas pessoas ficaram com medo de se contaminar e preferiram adotar métodos de pagamento sem contato, como o Apple Pay e o Google Pay. Nos EUA, alguns pesquisadores preveem que o valor total das transações desse tipo disparará de US$ 178 bilhões em 2020 para US$ 1,5 trilhão em 2024.

Assine a newsletter do Gizmodo

A Samsung vai começar o lançamento “gradual” desses novos cartões biométricos na Coreia do Sul ainda este ano. Até o momento, não se sabe se eles chegarão a outros mercados.