A Samsung divulgou seus resultados financeiros do último trimestre, e a situação não está muito boa. A culpa, de novo, é dos smartphones: de acordo com a IDC, esse mercado cresceu 25% em um ano, mas a coreana sofreu queda de 8% nas vendas.

E agora? Bem, a Samsung tem uma ideia de como reverter isso: o plano é concentrar o foco em menos smartphones, e usar mais bordas de metal e telas flexíveis. A empresa explica (grifo nosso):

… alguns modelos de smartphone serão ainda mais diferenciados através de displays flexíveis e laterais de metal, enquanto a estratégia de desenvolvimento de novos produtos vai se concentrar em modelos estratégicos simplificados para cada categoria de preço… Os tablets também receberão tecnologias e designs diferenciados. E os dispositivos vestíveis serão o próximo motor de crescimento da empresa, através de uma maior diversificação no portfólio de wearables.

A parte em negrito significa que a Samsung terá menos modelos de smartphone em cada categoria de preço. Isso pode ser um alívio, pois a coreana anuncia um novo Galaxy a cada 10 dias, em média.

Ao lançar menos smartphones, a Samsung pode reduzir custos, uma estratégia que ajudou a HTC a ter lucro novamente (ainda que baixo). Mas isso nem sempre dá certo: este ano, até setembro, a Motorola teve prejuízo de quase meio bilhão de dólares, pior que no ano passado.

A Samsung também quer ganhar espaço na China, onde concorrentes como Xiaomi e Lenovo travam uma disputa cada vez mais acirrada. Jay Y. Lee, cotado para ser o próximo presidente da Samsung, se encontrou esta semana com o presidente chinês Xi Jinping, prometendo que a empresa se expandiria no país.

Entre julho e setembro, o lucro líquido da Samsung caiu pela metade em relação ao mesmo período do ano passado. Isso ainda não leva totalmente em conta o lançamento do Galaxy Note 4, que só chegou a vários países em outubro.

Não se engane: a Samsung ainda é a maior fabricante mundial de smartphones (e de celulares em geral). No último trimestre, ela teve lucro líquido de US$ 4 bilhões, o que é muito. Mas a situação da coreana vai piorar antes que melhore: ela avisa que o final do ano também será difícil, “devido aos lançamentos de smartphone da concorrência”.

Será que uma linha enxuta de smartphones vai reverter a situação para a Samsung, ou ela terá que se acostumar com lucros mais baixos e uma concorrência mais forte? [Samsung via Wall Street Journal e CNET]