O vulcão Anak Krakatoa (também conhecido com Anak Krakatau), na Indonésia, entrou em erupção no fim de semana passado. No sábado (11), ele lançou um fluxo de vapor espesso e branco a 500 metros de altura no céu. Na terça-feira (14), ele ainda estava atirando plumas. Nenhuma vítima ou dano foi relatado até o momento.

O Centro de Vulcanologia e Mitigação de Riscos Geológicos da Indonésia emitiu um alerta de nível 2 em uma escala de quatro, indicando que o vulcão está “exibindo agitações intensas ou crescentes com maior potencial de erupção sem previsão de data ou com uma erupção de perigo limitado a caminho”.

Os satélites têm a vista mais segura para erupções. E na segunda-feira, o Landsat 8, do Serviço Geológico dos EUA, e a NASA, registraram uma imagem bárbara da pluma de gás e água que se eleva sobre o pico do Krakatoa. O satélite também viu um sinal infravermelho aparecendo por baixo da pluma, indicando um possível fluxo de lava.

A cor branca da pluma indica que o vulcão está emitindo principalmente vapor de água e gás. Se fossem cinzas, a pluma provavelmente pareceria acinzentada ou marrom em imagens de cores naturais. Isso não quer dizer que não possa haver cinzas escondidas mais perto do chão, entretanto.

“É possível que as partículas mais pesadas de cinzas emitidas permaneçam mais baixas na atmosfera e sejam transportadas para o norte por ventos próximos da superfície”, disse Verity Flower, vulcanologista do Centro de Voo Espacial Goddard, da NASA, em comunicado. “Em contraste, água e gases, que são mais leves, dentro da pluma, eles seriam transportados mais alto e se condensariam rapidamente na atmosfera.”

Uma vista com legendas da erupção de Krakatoa. Imagem: NASA Earth Observatory

Como não há cinzas atingindo o alto da estratosfera, é improvável que haja qualquer alívio das mudanças climáticas por causa dessa erupção. Quando há cinzas, elas podem bloquear o sol e esfriar a Terra. Ainda assim, é a erupção mais longa desde 2018, quando a atividade vulcânica causou um deslizamento de terra que desabou parte da ilha. Essa erupção também provocou um tsunami que inicialmente subiu cerca de 100 metros e acabou por atingir a costa, matando 437 pessoas.

Embora a erupção atual seja maior que o normal, ainda é relativamente pequena em comparação com as erupções mais antigas da história de Krakatoa. Em 1883, uma erupção enorme matou cerca de 36 mil pessoas entre a explosão e os tsunamis resultantes provocados por terremotos.

Autoridades indonésias estão de olho em possíveis perigos futuros, incluindo jatos e correntes de lava e chuva de cinzas em um raio de pouco mais de um quilômetro ao redor da cratera do vulcão.