Eu odeio o termo “fanboy”. É um pejorativo usado para denegrir a opinião de alguém. É algo que encerra conversas. Depois de aplicar este termo a alguém, não há mais nada a se dizer. Porém, vendo muitas reações sobre o Windows 8, eu meio que entendo por que as pessoas o usam.

Um caminhão de gente que nunca chegou perto do primeiro protótipo do tablet com Windows 8 está cagando em cima dele como se fosse um banheiro público, principalmente por causa da ventoinha.

Sim, a ventoinha é ridícula. A gente entende. Eu concordo!

Mas a interface Metro do Windows 8 é incrível. Com certeza representa um avanço no campo da computação baseada em gestos. O reconhecimento de escrita com caneta simplesmente funciona. A possibilidade de rodar dois apps ao mesmo tempo com a tela dividida é espetacular. Apps para o Metro também são ridiculamente fáceis de desenvolver e, graças à Windows Store inclusa, também fáceis de vender. A barreira de entrada para fazer e distribuir lindos aplicativos baseados em gestos que realizam todo tipo de tarefas é muito baixa. Nós veremos muitos deles, fazendo coisas bem interessantes, e desenvolvidos por pessoas que nunca arriscaram fazer um app. É profundo.

Se o seu interesse não foi capturado pelo Windows 8 e pelo Metro, então você não é capaz de reconhecer o grande salto que isso representa. Se você não está curioso para saber o que isso representa para você, então você tem menos interesse por tecnologia do que talvez acredite ter. Você tem interesse pelas suas marcas. Pelas suas plataformas. Pelas suas políticas. Você é um fanboy.

Veja bem, todos nós temos preferências. Eu tenho as minhas próprias. Eu costumo votar nos Democratas e costumo comprar produtos da Apple. Mas isso é porque eles tendem a apoiar as minhas prioridades, e não o contrário. Se os Democratas subitamente virassem as costas para a ciência, ou se a Apple começasse a lançar produtos com interfaces bagunçadas e cheias de bugs, eu cairia fora. Eu realmente não entendo essas pessoas que tratam marcas como times de futebol, oferecendo lealdade cega independente do que seja. Isso é apenas fanatismo. Deus abençoe aquele sistema de arquivos. A minha plataforma. Esteja ela certa ou errada.

Quanto mais eu fico velho, menos eu confio em qualquer um que coloque o seu partido ou a sua plataforma favorita acima do avanço da sociedade.

Esse foco Apple-talibanesco na ventoinha do protótipo lá ignora um aspecto importantíssimo sobre o Windows 8: as suas inovações e melhorias serão assimiladas por todos os concorrentes, e elas farão os seus produtos Apple melhores. Considerando a realidade como um todo, o Windows 8 vai acabar melhorando o Mac OS, o iOS e até, sim senhor, o iPad.

Atualmente, o iPad é a última — única — bolachinha do pacote. Quer um tablet? Compre um iPad. Sem zoeira, sem exageros. Os outros tablets do mercado seriam legais se o iPad não existisse. Mas ele existe, e por isso eu nunca diria, de boa fé, para ninguém que comprasse qualquer outro tablet.

E antes de retrucar, saiba que eu tenho um tablet Android e já usei outros. Mas eu também tenho três iPads. Eles são melhores. Eles têm mais apps, uma interface mais responsiva. Eles simplesmente funcionam. Nós os usamos constantemente em casa. O tablet Android eu nem sei mais onde coloquei. Provavelmente em alguma gaveta por lá. Eu costumava deixá-lo no banheiro, para que eu pudesse ler coisas no Kindle sem precisar expor o iPad a tal ambiente, mas aí a bateria acabou e, francamente, procurar o carregador não valeria o tempo gasto nisso, então eu acabei perdendo o tablet também. Não sinto falta.

Eu falei isso não para atacar o Android, mas para deixar claro o fato de que o iPad simplesmente não tem concorrência. E concorrência, adivinha só, é bom. Faz com que todo mundo se esforce mais. O Windows 8 será um concorrente de respeito. E se você gosta de tecnologia o bastante para ser agnóstico com relação às plataformas, você sabe que isso é ótimo.

Melhorias em uma plataforma causam melhorias nas outras. Tipicamente, é a Apple quem lidera as melhorias em tecnologia de interface (sim, fanáticos pelo Windows, é verdade). Mas nem sempre. E por mais que o talibã da Apple adore apontar cada pequeno recurso e ícone que acaba aparecendo no Windows (e, sejamos justos, são muitos), a Apple está mais do que disposta a pegar emprestados recursos de outras plataformas. O sistema de notificações que virá no iOS 5, por exemplo, foi pego “emprestado” na cara dura do Android. E eu ficarei muito surpreso se, mais para frente, o iOS não absorver alguns acertos do Metro.

Sim, a ventoinha é barulhenta e gira praticamente o tempo todo. Mas, como a Microsoft explicou exaustivamente, trata-se de um protótipo de desenvolvimento em um hardware provisório. O tablet da Samsung que no qual eu mexi na BUILD nunca chegará ao mercado com o Windows 8. Mesmo assim, as pessoas continuam mencionando, sem parar, como se fosse motivo suficiente para desconsiderar todo o resto. A Apple nunca mostraria algo como aquilo, eles argumentam.

E isso é verdade. Em partes. A Apple nunca confiaria em você o suficiente para permitir que você segurasse nas suas mãos um hardware não finalizado como aquele, para fins de avaliação. Mas ela mostra prévias de coisas o tempo todo. E não é incomum ela trazer ao palco algo que simplesmente não funciona. Se você nunca viu alguns dos xiliques que Steve Jobs dava no palco quando algo não funcionava direito, você perdeu alguns dos seus momentos mais divertidos.

Esqueça a ventoinha. Foco na interface. O Metro é uma forma fantástica de fazer as coisas. A Microsoft fundamentalmente começou do zero. E fez algo ridiculamente bom. Agora, se ela vai conseguir dar um jeito de lançar o Windows 8 e o Metro em um tablet baseado em ARM que não precise de uma maldita ventoinha, é outra história. Outra história ainda é se a Microsoft vai conseguir fazer isso antes da Apple dar outro grande passo à frente.

Mas por enquanto, baseado unicamente no que foi mostrado, o Windows 8 — e especialmente o Metro — é fantástico. Tem cara de futuro. E você pode ter certeza que essas prévias de desenvolvimento estão sendo instaladas e avaliadas em máquinas por toda a sede da Apple. Porque, apesar de alguns fora da Apple estarem cegos quanto ao valor daquilo que a Microsoft mostrou, aqueles que estão dentro da maça têm de prestar atenção. A Apple sabe que pode aprender alguma coisa com a Microsoft (sim, com a Microsoft!), mesmo que os seus fanboys não admitam isso.

Olha só, eu estou com vocês. Eu também adoro os produtos da Apple. Eles são ótimos! Mas, sobre o Windows 8? Eu sou um , cara. Sou um grande, enorme fan*. E eu sou barulhento.

* N.T.: Fan significa ventoinha em inglês, e este trocadilho foi bom demais para que eu traduzisse de outro jeito.