Preparem-se para algo grande: 44% de todos os apps que estão sendo atualmente testados no aparelho em si são jogos. Nintendo, Sony, Microsoft, abram o olhos: esta é a Apple espalhando seus tentáculos por toda a sala de estar.

O monstro chamado iPhone/iPod Touch já se posicionou como a plataforma de games móveis preferencial dos desenvolvedores e está rapidamente se tornando uma das maiores plataformas de jogos do planeta, graças aos 75 milhÕes de aparelhos vendidos em apenas 2 anos e meio. O atual rei dos games portáteis é o bem mais barato Nintendo DS, que vendeu 125 milhões em cinco anos e dois meses.

Agora a Apple está se instalando na sala de estar. Será que os jogos serão a principal atividade para qual o iPad será usado? Será que ele conseguirá se tornar o próximo gigante dos jogos casuais, como o Wii? O mercado nos dirá a resposta quando a hora certa chegar, aparentemente os desenvolvedores apostam nisso. Seus raciocínios parecem firmes: o iPhone/iPod demonstrou que você não precisa de botões e de um direcional em cruz para oferecer uma boa experiência às pessoas (não aos gamers hardcore). É o mesmo caminho trilhado pelo Nintendo DS, depois pelo Wii. Ambos têm uma grande quantidade de games de muito sucesso que não usam botões e requerem pouco tempo e envolvimento. De fato, parece que os consumidores — de novo, não os gamers hardcore — gostam mais deste tipo de interação, combinada a jogos que possam ser facilmente compartilhados e experimentados por mais de uma pessoa ao mesmo tempo.

O fator de compartilhamento do iPad

Assim como os portáteis da Apple, o iPad é uma continuação desse caminho. Diferente dos seus irmãos portáteis, porém, a tela grande do iPad faz com que ele seja ainda melhor para compartilhar uma experiência de jogo com outra pessoa no sofá. Eu consigo enxergar facilmente duas ou três pessoas sentadas num sofá, conversando enquanto jogam alguma coisa em turnos usando um iPad. Apesar de ser mais caro, também consigo imaginar como será divertido quando duas pessoas tiverem um iPad cada uma para jogar jogos em rede, cada uma na sua própria tela. Jogos de tabuleiro seriam totalmente animados e com excelentes gráficos, e as pessoas poderiam usar seus iPhones/iPods para interagir com o iPad que seria o tabuleiro — alguns participantes poderiam estar jogando remotamente, inclusive.

Dadas a direção geral do mercado e as possibilidades da plataforma, não é de se surpreender que os desenvolvedores estejam fazendo tanto esforço para conquistar o iPad. Ainda não se sabe se a novidade da Apple será um sucesso a longo prazo ou não, mas ter tanto apoio dos desenvolvedores certamente é um bom começo. O fato é que os desenvolvedores estão apostando no sucesso dos games no iPad. 44% é uma fatia enorme, especialmente considerando que a próxima maior fatia — entretenimento — só tem 14%. E principalmente considerando que trata-se de um aparelho novo e desconhecido. Eles não têm muito a parder, considerando que os jogos para iPad também aparecerão nos já muito bem-sucedidos portáteis.

Eu mal posso esperar para ver o que vai sair daí. [Business Week]