A presidente Dilma Rousseff assinou o Decreto nº 7.891 que determinou a desoneração de impostos nos smartphones produzidos no Brasil. O governo promete que, com a medida, os preços caiam em até 30%, mas parece que não vai chegar nem perto disso.

Questionamos as fabricantes, que nos informaram que a redução não chegará a 30% – será de cerca de 10% – e, ao UOL Tecnologia, a Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) disse que ela será ainda menor – 7%.

Ao menos temos uma certeza: haverá uma redução. Só que será bem menor do que o governo promete. Humberto Barbato, presidente da Abinee, explicou ao UOL Tecnologia:

Não sei como o valor cairá 30%, porque os impostos desonerados ficam em 9,25%. Estamos considerando uma redução de 7%, que é um número razoável. Qualquer valor acima disso eu acho um pouco absurdo.

Após questionar as fabricantes, e o valor imaginado é fica dentro do informado pela Abinee: 9,25% é o que a Nokia calcula como provável queda, e é referente à redução do Pis/Cofins de 9,25% para zero. A finlandesa não garantiu que o preço cairá 9,25%, mas os seus smartphones fabricados no Brasil ficarão sim mais baratos para os consumidores. Já a Motorola parece um pouco mais confiante: ao Gizmodo Brasil, a empresa disse que prevê redução de 10% a 13% nos seus produtos. Samsung e LG não responderam nossos questionamentos até a publicação deste texto.

Em relação aos modelos que ficarão mais baratos, as empresas aguardam a portaria do Ministério das Comunicações que vai definir as especificações técnicas dos aparelhos beneficiados pela desoneração. Como isso está previsto para ainda esta semana, é bem possível que no começo da semana que vem já tenhamos informações mais concretas sobre quais smartphones ficarão mais baratos e, o mais importante, quando eles ficarão mais baratos. [UOL Tecnologia]

Foto via Magnus Franklin/Flickr