Acho que maioria de nós concorda que existem poucas coisas com as quais os consumidores querem interagir menos do que anúncios. Nós certamente não queremos anúncios que exigem que conversemos com eles. Mas o futuro chegou, amigo. E se isso te parece um inferno, talvez seja uma boa hora de migrar do plano gratuito para uma assinatura do Spotify.

A plataforma de streaming está testando um novo recurso para anúncios habilitados por voz com alguns assinantes, segundo informou o Ad Age na quinta-feira (2). Nesse novo recurso, um número limitado de usuários do Spotify que têm seus microfones ligados serão solicitados por um anúncio a dizer uma frase específica que inicia o app para fazer uma ação. De acordo com o TechCrunch, os usuários primeiro serão informados sobre uma playlist por que possam se interessar e então eles receberão a opção de dizer “reproduzir agora”.

Se um usuário não responde ou se diz algo diferente de “reproduzir agora”, o anúncio segue em frente, antes de voltar para o que ele estava ouvindo. Tanto depois do comando quanto no caso de um usuário dizer algo diferente da frase específica, o microfone do usuário será desligado, descreve a reportagem.

Por ora, esses anúncios estão limitados às próprias playlists e aos podcasts da Spotify, segundo o TechCrunch. Mas a seguir: Axe body spray. Neste mês, a Axe irá oferecer sua própria playlist curada, e você terá a oportunidade de interromper sua vibração e sua dança para ouvir seja lá qual for a mensagem que a Axe tenha decidido que entra em sinergia com a marca.

Evidentemente, isso também sinaliza uma chance de o Spotify lentamente nos acostumar com a ideia de ter que interagir com um anúncio para realizar uma função. E não é difícil imaginar a possibilidade de intervalos comerciais intermináveis até que você decida falar com o app.

Um porta-voz do Spotify não respondeu imediatamente a um pedido de comentário do Gizmodo sobre o recurso.

Se eu ainda fosse um usuário do plano gratuito, talvez eu estivesse aberto a essa ideia, caso ela fosse limitada exclusivamente a playlists específicas por usuário — ou até mesmo podcasts. Mas se o Spotify começasse a me instigar com anúncios de body spray da Axe? Eu passaria longe.

Também acho que essa funcionalidade, assim como a genial ideia do Spotify de forçar podcasts goela abaixo enquanto as pessoas estão tentando ouvir músicas, pode ser incômoda para qualquer um que só está atrás de músicas para escutar enquanto estuda, trabalha ou se exercita.

O Spotify tem 116 milhões de ouvintes gratuitos em sua plataforma, e é provavelmente justo presumir que um bom número desses usuários não está interessado em interagir com marcas enquanto usam a plataforma de som ambiente (ou de outras maneiras).

A boa notícia é que, aparentemente, as pessoas que estão recebendo esses anúncios podem optar por sair da funcionalidade enquanto ela é testada, por meio da seção dos “Anúncios habilitados por voz” no menu Preferências.

Só para esclarecer, o Spotify não é a única empresa que está fazendo isso. Ainda assim, anúncios habilitados por voz é o tipo de inferno que ninguém pediu. Propagandas já são, na maioria, terríveis. As empresas não precisam de um empurrãozinho para torná-los ainda piores.