A cidade de Tóquio fez, em fevereiro, alguns testes com taxis autônomos, planejados para funcionar durante as Olimpíadas de 2020. Nesta segunda-feira (27), o país começou a operar um táxi que “se dirige sozinho” na capital japonesa.

Trata-se de um projeto piloto operado pela fabricante de robôs ZMP e pela empresa de táxi Hinomaru Kotsu. Para esse início, as corridas são feitas em um trajeto limitado de 5,3 km entre a estação de Tóquio e o distrito Roppongi, e o carro faz apenas quatro viagens de ida e volta por dia. As reservas são feitas via smartphone, e o custo por trajeto é de US$ 13,50.

As medalhas dos Jogos Olímpicos de Tóquio devem ser feitas de smartphones reciclados
8 tecnologias que farão das Olimpíadas de Tóquio as mais futuristas que já vimos

Na demonstração abaixo (em japonês), uma passageira pede o carro, o destranca com o smartphone e entra no veículo. Após confirmar o destino, o táxi começa a seguir o caminho. Ao chegar ao destino, aparece uma mensagem em um tablet, e o carro abre a porta para o passageiro sair.

Como as responsáveis pela operação não são bobas, as companhias incluem um motorista que fica monitorando se está tudo ok, apesar de o veículo ligar, mudar de faixas e parar por conta própria. A medida é por prudência. Por mais que os carros contem com inúmeros sensores, sempre pode haver incidentes, como um envolvendo um carro autônomo da Uber que matou uma ciclista. O veículo até tinha uma motorista para assumir o controle, caso houvesse algo. No entanto, durante o acidente, a pessoa estava distraída com outra atividade.

“Foi tão confortável quanto andar em um táxi normal”, disse à Nikkei um passageiro que usou o táxi autônomo nesta segunda-feira com sua esposa e uma criança. “Ele muda de linha tão suave que eu quase me esqueci que estava em um carro autônomo.”

Existe muita gente investindo nisso. Uber e Waymo (uma empresa da Alphabet, proprietária do Google) contam com diversas iniciativas e com alguns testes públicos. Na Ásia, a Didi (que é dona da 99) também tem feito testes na China, enquanto a Baidu tem desenvolvido ônibus autônomos.

O teste em Tóquio vai ser feito até 8 de setembro e pode ser uma boa se estiver completamente operacional durante as Olimpíadas no país. Além dessa iniciativa, que pode melhorar bastante a locomoção na sede olímpica, o Japão trabalha com a possibilidade de ter robôs para dar informações aos turistas (seja de direção, transporte ou mesmo na tradução de itens), desenvolver apps de tradução simultânea (a fluência em inglês no Japão não é das melhores do mundo), além de trabalhar para transmitir jogos em definição 8K.

Já sabemos que as Olimpíadas no Japão serão uma das mais nerds — com direito a Goku, do Dragon Ball, como embaixador — e, pelo jeito, também vai ser uma das mais tecnológicas.

[Nikkei]

Imagem do topo: ZMP