TVs 3D sem precisar de óculos soam como a melhor invenção do mundo, né? Mas secretamente eu acho que todos nós estávamos preocupados que acabaria sendo meio tosco. Depois de um bom tempo com a tecnologia parallax barrier da Sharp, eu posso dizer: alegria, alegria, não é tão ruim assim.

A Sharp não quis dizer se a sua tecnologia é a que está sendo usada no Nintendo 3DS, mas pelo que eu vi hoje, é bem similar – e eu acho que ela fará bem em colocar telas assim em telefones câmeras, laptops e tablets. 

Dois painéis de tamanhos diferentes estavam à mostra no estande da empresa na IFA. O maior é um LCD de 10.6 polegadas exibindo conteúdo 2D em 1280 x 768 e 3D em 640 x 768. Eles dizem que a distância ideal da tela é cerca de 50cm, e eu confirmei isso olhando para ela de bem mais longe e depois bem de perto. Esta é uma tecnologia de uso bem pessoal, boa para tablets ou netbooks.

O display menor mede 3.8 polegadas e serviu bem como demonstração de como funcionaria um smartphone como aquele de que ouvimos falar há algumas semanas. Conteúdo em 2D estava sendo renderizado em 800 x 480, e 3D em 400 x 480. A distância ideal neste caso era menor, cerca de 30cm, o que faz sentido considerando o tamanho da tela. 

Quando questionado sobre resolução, o gerente de produto com quem eu conversei disse que o problema é a bateria: especificamente, se eles aumentassem a resolução para qualquer coisa perto de 1080p em 3D, o tempo de bateria seria extremamente baixo, e esta não era uma troca que eles estavam dispostos a fazer no momento. 

No entanto, foi dito que tamanho não é problema. Uma TV de 42 polegadas usando a tecnologia é inteiramente possível – o problema é saber se você vai querer gastar tanto dinheiro em uma TV de "falso 3D". As telas em exibição hoje já sofrem bastante o efeito flicker quando você move a cabeça de um lado para o outro na frente delas.

Ao menos a tecnologia de parallax barrier seria mais barata sem aqueles óculos caros… apesar disso ser apenas um prêmio de consolação quando você é obrigado a manter a cabeça rigorosamente no mesmo lugar para não distorcer a imagem.

A Sharp não mencionou previsões de lançamento, só disse que os produtos em exibição chegariam ao mercado quando estivessem prontos. Apesar dos telefones da Sharp fazerem sucesso praticamente só na Ásia, muito provavelmente as suas telas pequenas em 3D não ficarão relegadas só àquele continente. Seja sob o nome da Sharp ou de outra fabricante, o resto do mundo pode também esperar smartphones com telas 3D.

Eles também mostraram a sua câmera 3D, possivelmente usando o módulo sobre o qual escrevemos aqui (apesar de estar sem vídeo 3D). Não foi dado nenhum detalhe sobre a câmera, mas eu tirei algumas fotos dela, e da sua tela mostrando uma foto (de mim mesma) – mas é obviamente impossível ver o efeito 3D através de uma foto da câmera. Especialmente uma de resolução tão baixa, tão escura e granulada, como as imagens na galera abaixo vão demonstrar.

Eu não sou fã do 3D tradicional. Ele parece que faz os meus olhos quererem saltar para fora da cabeça, e eu não vejo muito objetivo em comprar um sistema de imagem 3D (a menos que você seja um gamer). Mas estas telas da Sharp são bem divertidas, e não me deram a mesma dor de cabeça/náusea que eu sempre sinto com óculos passivos ou ativos. 

O modelo maior era uma tela de toque, e bastante responsiva também – bem melhor do que eu esperava. Mas era borrada. Menos nítida que uma TV 3D tradicional, e apesar de bem mais brilhante, a resolução é muito pior. Não estou bem certa sobre os usos de uma tela assim, mas a tela na câmera era ótima, exibindo as fotos que eu havia acabado de tirar segundos atrás. Se o preço for bom, as câmeras 3D da Fujifilm podem estar prestes a se tornar obsoletas. 

E é isso. A tecnologia foi maravilhosa na prática, mas substituiria a alta definição de verdade em nada maior do que um laptop. Para as coisas menores que um laptop, é algo bem legal, mas que não vale a pena pagar tanto assim a mais para ter.