Todos nós já ouvimos falar de capas de invisibilidade: elas fazem com que objetos desapareçam de vista. Mas uma equipe de pesquisadores na Universidade de Purdue (EUA) criou um manto de invisibilidade temporal: ela faz com que um evento pareça desaparecer do tempo.

>>> Cientistas usam ilusão de ótica para fazer com que objetos fiquem invisíveis

Como isso funciona? Basicamente, quando a luz é manipulada de uma forma específica, é possível criar a impressão de que uma pessoa ou objeto se moveu instantaneamente de um lugar para o outro. É como se isso criasse um “buraco” no tempo.

No momento, isso é possível apenas com partículas microscópicas. O engenheiro Joseph Lukens e sua equipe usaram um laser com duas frequências diferentes para enviar fótons através de uma fibra óptica. Um dos lasers é ajustado para efetivamente esconder o outro. Como explica o Inovação Tecnológica:

A propagação da luz pode ser comparada às ondas no oceano. Se uma onda está subindo e interage com outra onda que está indo para baixo, elas se anulam mutuamente – a luz terá “intensidade zero”, ou seja, será uma espécie de “pulso escuro”. São os dados nas regiões onde o sinal é zero que podem ser escondidas pelo manto da invisibilidade temporal.

Dessa forma, parece que o fóton se “teletransportou” de um lugar para outro. O movimento dele é oculto pelos lasers, assim como o tempo que ele leva ao se deslocar. Os resultados foram publicados no periódico Optica.

O conceito de invisibilidade temporal surgiu em 2010, criado por uma equipe da University College London. Desde então, foram feitos alguns experimentos para provar que ela é possível. Em 2011, um grupo da Universidade Cornell criou “lentes temporais” que alteram as cores em um feixe de luz para ocultar fótons.

E em 2013, a própria equipe de Joseph Lukens conseguiu manipular pulsos de luz para ocultar fótons. O problema é que ninguém conseguia encontrá-los novamente – não havia como recuperá-los. No novo experimento, se você souber a frequência de um dos lasers, pode “reverter” o manto de invisibilidade e ver a trajetória dos fótons.

Lukens sugere que isto pode ter uma aplicação em sistemas de comunicação, permitindo esconder informações via fibra óptica. [New Scientist]

Imagem por eflon/Flickr