A existência de ondas gravitacionais foi confirmada há uma semana, e os teóricos da conspiração estão trabalhando a todo vapor, gritando para os céus: a “descoberta” é uma mentira que cientistas inventaram pela fama, instituições apoiaram pelo dinheiro, e meios de comunicação regurgitaram pela atenção.

Tudo isso para impedir que você veja a maior mentira – a gravidade! A elite corporativa da física, bêbada com o poder de escrever as leis da natureza como bem quiser, criou uma prisão para nossas mentes, meus amigos.



Na humilde busca pela verdade, reunimos abaixo uma seleção das melhores teorias da conspiração sobre ondas gravitacionais que a internet tem para oferecer. Einstein está girando no túmulo? Sim, porque ele provavelmente estava envolvido também.

>>> Nós encontramos ondas gravitacionais. E agora?
>>> As dúvidas mais interessantes sobre ondas gravitacionais, respondidas

1. Ondas gravitacionais são um embuste para enganar o público

Ah, sim, uma farsa clássica da física teórica, paga com o suor e lágrimas dos contribuintes. Existem vários tópicos no Reddit que explicam isso em detalhe, mas eis um resumo:

– físicos “veem” um “sinal” incrível no “detector” deles;

– meses se passam, e nenhum outro sinal é detectado. Instaura-se o pânico de que pode ter sido um alarme falso;

– instituições acadêmicas e a mídia são mobilizadas para fazer um grande anúncio sobre o sinal espúrio. O anúncio chega em 11 de fevereiro, a tempo para as candidaturas do Prêmio Nobel 2016;

– as consequências? Dinheiro, fama e glória.

Provas:

Desconfiança geral em relação ao sistema, e desconhecimento do que os físicos no experimento LIGO fizeram nos quatro meses anteriores ao anúncio.

Contra-argumentos:

Por onde começar? Vamos começar com o próprio sinal, que é impressionantemente alto e claro. Inicialmente, os físicos do observatório LIGO consideraram que este era um sinal deliberadamente falso – chamado de “injeção cega”. Em poucas horas, a equipe verificou que este não era o caso.

Ao longo dos meses seguintes, eles examinaram uma série de detectores ambientais para ter certeza absoluta de que o sinal não era apenas um ruído aleatório. No geral, a probabilidade de um evento como este ser um acaso estatístico é estimada em cerca de uma em dez milhões.

Além do mais, a equipe do LIGO tem vários outros possíveis sinais de ondas gravitacionais, obtidos no mesmo período de três meses. Um desses eventos tem aproximadamente uma possibilidade de 3% de ser ruído – não é algo que mereça um Nobel, mas certamente é um bom candidato. E a equipe do LIGO espera ver muitos outros sinais quando os detectores forem reativados em poucos meses.

2. Os físicos erraram de novo

Cientistas cometem erros o tempo todo. Não vamos esquecer que, em 2014, astrofísicos do telescópio BICEP2 alegaram ter encontrado a primeira evidência de ondas gravitacionais no início do universo, sustentando a teoria da “inflação” – que o cosmos se expandiu muito rapidamente após o Big Bang.

Alguns meses mais tarde, as dúvidas começaram a se infiltrar. No ano seguinte, ficou claro que a “descoberta” não era nada além de poeira cósmica.

Provas:

Temos o histórico ruim dos físicos, e também o fato de que a “detecção” de ondas gravitacionais no LIGO foi na verdade algo chamado “retardo eletromagnético”. Um YouTuber descobriu isso no mesmo dia em que foi feito o anúncio sobre ondas gravitacionais.

Contra-argumentos:

Ver contra-argumentos para o nº1. Também dê uma olhada nas respostas de Amber Stuver, Ph.D. em física e cientista no LIGO Livingston Observatory (EUA), sobre os cuidados na detecção das ondas gravitacionais.

Quanto ao BICEP2, falamos com Robert Garisto, editor da Physical Review Letters, revista que publicou a descoberta na época. Ele diz que a confusão teve menos a ver com a ciência em si, e mais a ver com a comunicação científica.

“Embora seja verdade que a conferência de imprensa, e até certo ponto a versão prévia dos resultados do BICEP2, acabaram não sendo corretas, se você olhar para o estudo na PRL, ele era muito mais circunspecto sobre a descoberta”, disse Garisto ao Gizmodo. “O estudo ainda não está errado.”

No caso do novo estudo, baseado no observatório LIGO, as reivindicações científicas são muito mais robustas. “Eu não consigo imaginar alguma maneira em que isso vai ser refutado”, disse Garisto. “A evidência é muito forte.”

terra plana
Imagem: aplanetruth.info

3. Ondas gravitacionais são um embuste para nos convencer de que a Terra não é plana

Por que gerações de físicos iriam se esforçar tanto para perpetuar uma teoria falsa sobre a natureza básica do universo em que vivemos? Uma palavra: CONTROLE.

Quer uma melhor maneira de fazer todos ecoarem o seu dogma do que uma festa mundial celebrando a “teoria” da gravidade, e de ondas gravitacionais?

Provas:

Ah, a gravidade… essa desculpa conveniente para tudo o que não faz sentido sobre viver em uma esfera que gira. Sabe o que também não faz sentido? VIVER EM UMA ESFERA, ALIENADOS.

Basta assistir a alguns desses vídeos sobre a Terra plana, eles explicam tudo:

Contra-argumentos:

¯ \ _ (ツ) _ / ¯

4. Um gênio do mal enganou a todos nós

Isto, na verdade, vem dos próprios físicos do LIGO: é a única maneira concebível que eles podem imaginar de o sinal capturado pelos detectores do LIGO ser falso.

Provas:

“Um gênio do mal é, por definição, mais inteligente do que nós”, disse Alain Weinstein, físico na UCLA e colaborador do LIGO, ao Gizmodo. “Não podemos descartar a hipótese do gênio do mal, porque nós não somos inteligentes o suficiente.”

Um gênio do mal, de acordo com Weinstein, é diferente de um trapaceiro. É concebível que um funcionário descontente poderia plantar uma injeção nos detectores do LIGO sem avisar a ninguém. “Nós pensamos muito sobre isso, e concluímos que não sabíamos como fazer isso”, disse Weinstein. “Então, quem fez isso tinha que ser mais esperto do que nós.” Daí vem a ideia do gênio do mal.

Contra-argumentos:

Por que um gênio do mal tentaria enganar todo o planeta de que um resultado antes obscuro da relatividade geral é de fato real? Por que uma pessoa com essas faculdades mentais não usaria esse cérebro para algo melhor? A teoria é mais um excesso de cautela por parte dos cientistas do LIGO, do que uma teoria da conspiração em si.

Primeira imagem por NASA