Parece difícil compreender que o progresso cientifico chegou a um ponto onde é possível que pessoas efetuem algo tão complicado quanto terapia genética fora da segurança de laboratórios, mas é exatamente isso que está acontecendo. Nos últimos meses, vimos não um, mas dois exemplos de pessoas fazendo uso de terapias genéticas não regulamentadas. É isso mesmo, tem gente geneticamente modificando os próprios corpos em laboratórios caseiros ou em apartamentos de amigos.

O CRISPR pode transformar a maneira como diagnosticamos doenças
Um CRISPR modificado poderia tratar doenças comuns sem editar DNA
Cientistas editam gene do glúten e criam trigo para pessoas com doença celíaca

Agora, a maior organização de cientistas que trabalham com terapia genética e celular se manifestam contra versões caseiras destes procedimentos.  A ASGCT (American Society of Gene and Cell Therapy) se pronunciou após um aviso severo da FDA, órgão americano equivalente à Anvisa, condenando terapia genética caseira ou faça-você-mesmo. Por anos, quando o assunto era biohacking, reguladores e instituições cientificas fizeram vista grossa. Mas isso parece estar mudando.

“Como a maior sociedade profissional representando terapias genéticas e celulares no mundo, a ASGCT não apoia a prática de terapias genéticas não regulamentadas pois tais procedimentos são potencialmente perigosos e improvavelmente providenciaram benefícios terapêuticos”, disse a organização no comunicado.

A organização explica em um email que o comunicado surge em resposta as diversas histórias reportadas pelo Gizmodo, entre elas, a do famoso biohacker que injetou a ferramenta de terapia genética CRISPR em seu próprio corpo durante uma conferência e a de um engenheiro de software que administrou em si mesmo um tratamento genético não testado contra o HIV ao vivo pelo Facebook.

Em resposta a estas performances públicas, a FDA divulgou um comunicado lembrando que vender materiais voltados para a produção de terapias genéticas caseiras é ilegal e administrá-las em procedimentos não é seguro.

Após o comunicado da FDA, a ASGCT divulgou o próprio, argumentando que administrar procedimentos caseiros de terapia genética é simplesmente inseguro.

“A ASGCT entende e simpatiza com o desespero que pacientes sentem ao serem confrontados com prognósticos severos ”, diz no comunicado. “No entanto, a ASGCT vigorosamente não incentiva que indivíduos administrem ou busquem por terapias caseiras não regulamentadas. O campo de terapia genética está em desenvolvimento há mais de 30 anos com o objetivo de melhorar a qualidade de vida de pacientes portadores de sérias doenças com tratamentos comprovados, seguros e efetivos derivados de rigorosa pesquisa científica e clínica”.

No entanto, a FDA ou o consórcio de cientistas não parece querer dissuadir aqueles tomando a frente da ciência caseira do método.

Quando questionado, Josiah Zayner, o rapaz que se injetou com CRISPR durante uma conferência, disse que o comunicado não parecia um alerta tão sério.

“Ele não condena as coisas que as pessoas estão fazendo”, disse Zayner ao Gizmodo.

Imagem de topo: O biohacker Josiah Zayner prester a aplicar o experimento em seu próprio corpo. (Kristen V. Brown/Gizmodo)