Viver o mesmo personagem por mais de uma década não é para qualquer um. Chris Hemsworth que o diga. Ele interpreta Thor desde a primeira aparição do deus nórdico no Universo Cinematográfico da Marvel, em 2011. Agora, o astro, que não pensa em se aposentar da função tão cedo, chega às telonas para mais uma aventura: “Thor: Amor e Trovão”. O quarto filme do filho de Odin estreia nos cinemas no dia 7 de julho. 

O Gizmodo Brasil foi convidado para assistir “Thor 4” antes mesmo da estreia para o público. Para entrar no clima do filme, separamos abaixo 5 motivos para assistir ao longa no cinema. 

[ATENÇÃO, ALERTA DE SPOILERS ABAIXO]

1 – O retorno (triunfal) de Thor 

Thor
Imagem: Reprodução/Divulgação Marvel

Para quem não se lembra, a última aparição de Thor foi em “Vingadores: Ultimato” (2019). No filme, ele carrega uma culpa por não conseguir derrotar Thanos em “Vingadores: Guerra Infinita” (2018). O resultado? Um Thor acima do peso, com a barba e cabelo por fazer, vivendo de fast food e cerveja. 

Em “Amor e Trovão”, o personagem retorna mais poderoso, determinado, e cheio das piadinhas (claro). Chris Hemsworth não perdeu a essência de Thor, e trás para as telas o que fãs da Marvel gostam de ver: um herói destemido e bem humorado, que conta até com a ajuda de um casal de bodes (o que torna a trama ainda mais engraçada). 

Cris Hemsworth está à vontade como nunca no papel. Tanto é que, no longa, Thor aparece peladão — podemos ver a bunda de Hemsworth sem censura, ao contrário do trailer). Além disso, a cena mostra uma tatuagem que ele fez nas costas em homenagem ao irmão Loki.

O novo filme é a prova que até um deus pode sofrer por amor — e ser gente como a gente. Além de sofrer com a partida de Jane Foster, sua ex-namorada amada, ele acaba virando pai. Por essas vocês não esperavam.

2 – Reencontro de Thor e Jane Foster

Thor: Amor e Trovão
Imagem: Divulgação/Marvel Studios

Se tem uma imagem que chamou atenção desde do trailer é o reencontro de Thor e Jane Foster — que, agora, assume como Poderosa Thor. O público conhece a personagem, interpretada pela atriz Natalie Portman, no primeiro “Thor” (2011) quando a astrônoma e astrofísica encontra o filho de Odin na Terra, após o herói ser banido de Asgard. 

A personagem aparece também em “Thor: O Mundo Sombrio” (2013), quando o herói precisa salvar a vida dela. Agora, em “Amor e Trovão” conseguimos entender um pouco mais sobre o término dos dois — e como ela consegue empunhar o martelo mágico, Mjölnir.

Jane Foster é uma astrofísica de renome, e, assim como o deus do Trovão, tinha inúmeros compromissos com a vida profissional. Com isso, o casal mal conseguia ter um encontro comum, o que fez o relacionamento ir se desgastando e, aos poucos, chegar ao fim. Em um certo momento do filme, vemos um flashback onde Thor pede para Mjölnir cuidar de Jane, e assim o martelo mágico faz. 

No filme, Jane consegue empunhar Mjölnir e adquire os poderes do deus do Trovão, tornando-se a Poderosa Thor, e vai a luta contra Gorr, o Carniceiro dos deuses (Christian Bale). Quando Thor acha que reencontrou o martelo mágico, ele dá de cara com a amada lutando contra o vilão, toda destemida e cheia de poderes. Agora, ela não é a mocinha que precisa ser resgatada, mas sim a heroína que vai à luta. 

Em contrapartida, Jane luta contra um câncer que já se encontra em estágio 4. Ao se tornar a Poderosa Thor, ela ganha poderes, mas que tiram suas forças vitais como humana. No filme ela faz uma difícil escolha: ficar deitada na cama esperando Thor salvar o mundo ou partir para a luta junto ao amado. Não precisamos dizer qual caminho ela escolheu, não é mesmo? E claro, o aguardado beijo de reconciliação acontece.

3 – Christian Bale como Gorr

Thor: Amor e Trovão
Imagem: Reprodução/Marvel Studios

Vivendo um personagem fora do que o espectador médio está acostumado a vê-lo, o ator dá um show de atuação como o antagonista aterrorizante no filme da Marvel. 

No longa, Gorr era um homem piedoso que orava obedientemente às divindades. Após perder sua filha, o personagem é consumido pela raiva e parte em uma busca de livrar o Universo de todos os últimos imortais. Com a intenção de roubar o Rompe-Tormentas, o machado encantado de Thor, o vilão sequestra todas as crianças de Asgard. 

Em uma atuação sem defeitos, Christian Bale parece já ter vivido Gorr em algum momento da vida. O vilão consegue parte do seu objetivo — mas seu final, como não poderia deixar de ser, é agridoce. 

4 – Trilha Sonora 

O filme tem uma trilha sonora impecável para fãs de rock, com a clássica Sweet Child O’ Mine”, do Guns N’ Roses, como tema principal. Além desta, outros sons mais pesados pipocam durante o longa, com destaque para “Welcome to The Jungle”, “Paradise City” e “November Rain”, todos da banda norte-americana. 

Todas as canções ouvidas no filme mostram como Taika Waititi tentou manter o tom de “Thor 4” similar ao visto em “Thor: Ragnarok”. Vale lembrar que o filme anterior tinha como trilha sonora principal a música “Immigrant Song”, clássico do Led Zeppelin.  

Outra coisa que chama bastante atenção em “Thor: Amor e Trovão” são os efeitos especiais. Chamou minha atenção o momento em que os heróis chegam ao planeta habitado por Gorr. O filme fica totalmente preto e branco, como em produções antigas, com a intenção de mostrar que o vilão tira a vida de tudo aquilo que toca, inclusive as cores. 

5 – Cenas Pós-Créditos

Vale lembrar que Thor é o último dos Vingadores originais ainda na ativa — e que, 11 anos depois da estreia do primeiro filme, a trama do deus do Trovão ainda deve continuar. O longa traz duas cenas pós-créditos, onde é possível ter um vislumbre dos caminhos que a história irá seguir. 

Não vamos soltar detalhes das cenas aqui, mas, como adiantou a imprensa gringa, realmente é imperdível. Ou seja, se você for ver “Thor: Amor e Trovão” nos cinemas — e é fã da quebra-cabeças do Universo Marvel –, nada de sair correndo com o fim do longa: fique para as cenas pós-créditos. 

Thor: Amor e Trovão” chega aos cinemas no próximo dia 7 de julho. Relembre o trailer: