A maldição da minha geração pode em breve ser retirada, mas a punição será amarga. De acordo com um novo estudo da Morning Consult, a popularidade do Facebook entre jovens está diminuindo e o TikTok está rapidamente se tornando o destino de escolha para os adolescentes publicarem conteúdos que logo se arrependerão.

Publicado pela Axios, o estudo descobriu que o TikTok, com seus memes de karaokê fascinantes, atraiu crianças de 13 a 16 anos do Facebook, chegando ao terceiro lugar na hierarquia das plataformas de rede social. O estudo, que entrevistou 2.000 pessoas de 13 a 38 anos, descobriu que o Instagram e o Snapchat ficaram em primeiro e segundo, respectivamente.

O gráfico reflete que pouco mais de 40% usam o Facebook, uma queda acentuada em relação ao estudo de maio de 2018 do Pew Research Center, que classificou esse número em 51% dos adolescentes na faixa etária de 13 a 17 anos. Em 2018, o TikTok não estava no radar da Pew, o que faz sentido, porque a maioria dos downloads mensais do TikTok começou a invadir o território do YouTube-Snapchat-Instagram-Facebook em junho.

Os adultos que estão cansados ​​de ouvir sobre as novidades legais que os adolescentes estão fazendo terão que suportar mais essa.

O TikTok, cuja empresa controladora ByteDance está baseada em Pequim, foi obrigada recentemente a responder às preocupações dos senadores de que o governo chinês possa explorar sua coleta de dados de usuários. Também foi relatado que a plataforma censura conteúdo político e qualquer representação visual de relações entre pessoas do mesmo sexo que não sejam do agrado do Partido Comunista Chinês.

Ontem, o Washington Post informou que os censores do TikTok baseados nos EUA disseram ao jornal que as equipes baseadas na China anularam seus protestos contra o bloqueio de determinados conteúdos “por precaução sobre as restrições do governo chinês e as penalidades anteriores em outros aplicativos da ByteDance”. Os Termos de Serviço do TikTok para usuários americanos proíbem vagamente “material que, a critério exclusivo do TikTok, seja censurável”. Mas você ainda pode encontrar vídeos dos protestos de Hong Kong no TikTok.

A plataforma divulgou na terça-feira (5) um comunicado afirmando que emprega uma equipe de moderadores de conteúdo “liderada pelos EUA”, garantindo ao público que seus dados não são armazenados na China e que “[continuaremos a trabalhar com o governo dos EUA em todas as questões discutidas acima”. O TikTok admite empregar moderação de conteúdo nos EUA além dos esforços padrão para eliminar conteúdo ilegal, mas cita seu público jovem como a razão pela qual “as Diretrizes da Comunidade enfatizam manter o TikTok uma comunidade divertida e segura para nossos usuários”.

Enquanto isso, o TikTok deixou um assento vazio em uma audiência do congresso ontem sobre, entre outras coisas, o TikTok.

O reinado do TikTok pode terminar. Em fevereiro, a Federal Trade Commission multou a plataforma em 5,7 milhões de dólares por não obter o consentimento dos pais antes de coletar nomes, endereços de e-mail, dados de localização e fotos de usuários com menos de treze anos. O líder da minoria no Senado, Chuck Schumer, e o senador Tom Cotton (R-Arkansas) publicaram uma carta no mês passado pedindo ao Departamento de Inteligência Nacional que investigasse o TikTok como uma “ameaça de contra-inteligência” e possível veículo para interferência nas eleições estrangeiras. Este não é o futuro mais brilhante que pedimos.