Os Estados Unidos estão cedendo sua posição como potência tecnológica mundial. Por décadas, o que havia de mais inovador no mundo saía daqui. Dezenas de empresas escolheram os EUA por motivos simples, entre eles acesso a equipamentos e educação de ponta, a capacidade de fornecer mão de obra para empregos de alta complexidade em tecnologia e um clima de negócios que recompensava o empreendedor.

Isso acabou.

A saga do aplicativo TikTok tem sido, na melhor das hipóteses, uma grande comédia. A China, por muito tempo considerada uma terra de clones, construiu algo verdadeiramente original. Os EUA e seu obscuro poder executivo tentaram controlar isso por vias legislativas, usando táticas que vêm de algum manual de negócios dos anos 1990.

No entanto, o que está em disputa é o conceito de justiça. Durante décadas, empresas que queriam fazer negócios na República Popular da China enfrentaram exigências macabras, incluindo trabalhar com um parceiro local para representar a companhia em questão. Isso resultou em muitas histórias que os antigos companheiros de golfe do presidente Donald Trump provavelmente contaram uns aos outros durante sanduíches e chás gelados de Long Island.

A ideia era que a China poderia puxar o tapete de qualquer negócio estrangeiro. Pior: que esse processo era um esporte para jovens empresários chineses que roubavam negócios ou copiavam produtos, enviando a mercadoria para os locais especializados em falsificação.

Tais histórias eram falsas, mas você pode imaginar como elas sacudiram o cérebro de Trump ao longo dos anos. E agora com um acordo envolvendo o TikTok, a reviravolta tem sido pintada como um jogo limpo por parte dos EUA.

Contudo, a parceria do TikTok com empresas estadunidenses é literalmente um clone daquilo que os americanos tanto temiam da China. O app, controlado pela companhia chinesa ByteDance, deve trabalhar com um “parceiro de confiança”. A parceria garante que os dados de usuários americanos permaneçam em solo americano — um conceito um tanto risível, levando em consideração que vivemos uma era de rastreamento e coleta de dados vindas de todos os lados.

Além disso, Oracle e Walmart, que venceram a disputa para controlar o TikTok nos EUA, serão responsáveis por 12,5% e 7,5%, respectivamente. Isso, em termos de negócios, é quase do tamanho de um grão de areia. Fala-se que 40% serão de propriedade de investidores americanos, mas isso, como a história da velha China, é uma farsa.

“A empresa controladora da TikTok, ByteDance, consegue manter a propriedade da entidade nos Estados Unidos. A Oracle, por sua vez, consegue um novo e enorme cliente em nuvem para impulsionar seus negócios. E o Walmart consegue acesso a adolescentes para vender coisas. Os dados dos clientes dos EUA não estão mais seguros (agora estão nas mãos de predadores americanos em vez de estrangeiros)”, escreveu Jon Shieber no TechCrunch.

Tudo isso é um esforço cínico e antiquado para fechar o cerco contra a China pelos acordos comerciais “injustos”, reais ou imaginários, que impulsionaram Apple, Microsoft e Amazon ao poder. Isso sem mencionar que construíram a fortuna dos executivos do Walmart. Muita gente esquece que, sem a China, a América não poderia desfrutar da infinidade de produtos que inundam as prateleiras das lojas e supermercados.

Trump fez um acordo. É um acordo que sustenta o fracassado negócio de nuvem de Larry Ellison, envergonha a América e reduz a possibilidade de que uma próxima tecnologia incrível venha dos Estados Unidos.

Quem é mais otimista dirá que isso endireita o equilíbrio de forças entre os dois países mais poderosos do mundo. O otimista também vai dizer que manter o status quo era o pior de todos os cenários possíveis. E o otimista, por todos esses motivos, é um tolo.

Há muito tempo, os EUA são uma potência de inovação — e vão permanecer assim mesmo que seu poder diminua. Esse poder diminuirá à medida que o País evita que novas empresas iniciem seus negócios, fecha fronteiras para manter afastados os imigrantes mais famintos e inteligentes, e cria uma mensagem interna de “a América deve vir em primeiro lugar”.

Este poder diminuirá já que os graduados em Shenzhen buscarão resolver problemas reais, coisa que os EUA, em algum momento da história, faziam com naturalidade. Ao tentar controlar desnecessariamente um site para adolescentes, os EUA cederão a corrida espacial, serão o segundo ou terceiro país na corrida por uma cura da COVID-19 e perderão qualquer esperança de se tornar uma potência industrial.