O problema, não exclusivo do Ceará, nem da TIM, é que por lá a operadora italiana não atende os seus clientes de forma satisfatória. Os planos “ilimitados” que ajudaram-na a ultrapassar a Claro no país causaram, por outro lado, uma sobrecarga nos sistemas, daí vêm as falhas no envio de mensagens, realização de chamadas e acesso móvel à Internet.

Para voltar à ativa, a TIM terá que apresentar, dentro de 30 dias, um plano aprovado pela Anatel de ampliação da rede. Se a qualidade do serviço não melhorar, a empresa corre o risco de pagar multa diária de R$ 10 mil.

A TIM respondeu dizendo que “não recebeu qualquer notificação judicial para suspender a venda de novas assinaturas ou habilitação de novas linhas”, mas que de qualquer forma tem R$ 233 milhões reservados para investimentos no Ceará durante o triênio 2011-2013. Não seria mais fácil se toda essa boa vontade se desse antes da coisa estourar? [IDG Now!]