Quando você esfrega as mãos para criar fricção e calor, a energia de calor radiando de suas mãos criam correntes de ar. Elas são completamente invisíveis a olho nu, mas com uma simples configuração, acontece que sua câmera digital pode revelar esse mundo invisível a nosso redor.

• A história secreta do gato que foi autor de um artigo de física
• Cientistas finalmente mediram a força das ligações que juntam a água

A técnica é conhecida como fotografia Schlieren, que o canal Veritasium — comandado por Derek Muller —, do YouTube, conseguiu recriar usando uma DSLR, um pequeno espelho côncavo, uma minúscula lâmpada de LED e uma lâmina de barbear. A configuração exata foi explicada no vídeo, mas, basicamente, ela permite que a câmera veja pontos escuros e claros criados pelas mudanças no índice de refração da luz, conforme os fótons viajam do LED para o espelho e de volta para a lente da câmera.

Conforme a luz viaja através de um ar de diferentes temperaturas e composições, ela muda levemente de velocidade e se curva (lembra do experimento clássico do ‘lápis torto no copo d’água, na escola?), o que resulta em distorções. Essas distorções são tão sutis que o olho humano não consegue vê-las, mas são amplificadas usando essa configuração para que a câmera consiga — revelando um tumultuoso mundo que, sinceramente, é bom que não consigamos ver.

[YouTube]