Arqueólogos egípcios e italianos que estavam trabalhando em uma missão conjunta identificaram uma tumba repleta de múmias e artefatos que remetem ao período greco-romano. A descoberta foi feita nas proximidades do Mausoléu de Aga Khan, a oeste da cidade de Assuã, no Egito.

A tumba era dividida em duas partes: na primeira, uma construção retangular acima do solo, estava a porta do local. Ela foi construída com blocos de arenito cobertos por uma abóbada de tijolos de barro.

Enquanto isso, a segunda parte constitui um pátio retangular esculpido no interior da rocha. Ali, estavam quatro câmaras funerárias, recheadas de corpos e objetos antigos.

Cerca de 20 múmias foram encontradas neste espaço — a maioria delas muito bem preservadas. De acordo com Patrizia Piacentini, professora de egiptologia da Universidade de Milão e chefe da missão do lado italiano, aquela “é uma vala comum que inclui mais de uma família”.

Entre os artefatos, foram desenterrados painéis de pedra com escrita hieroglífica, mesas de oferendas, um colar de cobre gravado em grego e pedaços de cartonagem colorida, que costumavam ser usados para a fabricação de máscaras funerárias. Todos os objetos parecem datar do período greco-romano.

Também foram achados no local várias estátuas de madeira do pássaro Ba, peça importante na mitologia egípcia. Sem falar nos vários caixões em ótimo estado de conservação – alguns feitos de cerâmica e outros de arenito.