Expandindo um recurso existente que avisa os usuários que tentam retuitar conteúdo que já foi sinalizado como “informações enganosas”, o Twitter agora emitirá o mesmo aviso quando os usuários tentarem curtir um conteúdo que foi designado de forma semelhante.

Na preparação para a eleição presidencial de 2020, o Twitter anunciou em setembro que planejava lançar uma série de políticas destinadas a conter a desinformação sobre o total de votos, prometendo abordar “advertências e restrições adicionais sobre tuítes com um rótulo de informação enganosa de figuras políticas dos EUA (incluindo candidatos e contas de campanha).”

A plataforma logo cumpriu essa promessa, sinalizando um dos tuítes do presidente Donald Trump com um aviso de que “parte ou todo o conteúdo compartilhado neste tuíte é contestado” faltando apenas algumas horas para a votação nas eleições gerais.

Em um tuíte, o Twitter disse que esses prompts e outros como eles ajudaram a diminuir citações de informações enganosas em 29%, levando a plataforma a revelar reduções de velocidade semelhantes projetadas para diminuir a propensão dos usuários a “curtir” tuítes contendo informações falsas.

Tradução: Fornecer contexto sobre por que um tuíte rotulado é enganoso sobre nossa eleição, COVID-19, e as regras de mídia sintética e manipulada é vital.
Esses prompts ajudaram a diminuir os tuítes de citações de informações enganosas em 29%, portanto, estamos expandindo-os para mostrá-los quando você tocar para curtir um tuíte rotulado.

A opção para os usuários pararem e pensarem antes de clicar em ‘curtir’ ou ‘retuitar’ é parte de um conjunto maior de recursos que visa conter a disseminação de desinformação que o Twitter revelou recentemente. Quando os usuários tentam retuitar um post contendo um link para um artigo que não leram, por exemplo, o site agora exibe uma mensagem encorajando o usuário a ler o artigo antes de compartilhá-lo cegamente com seus seguidores.

A decisão de adicionar rótulos de aviso aos tuítes “curtidos” foi relatada pela primeira vez por Jane Manchun Wong, uma engenheira de software de Hong Kong conhecida por revelar novos recursos que aplicativos como Twitter, Instagram e TikTok estão testando em beta por engenharia reversa de seu código.

Embora o Twitter inicialmente alegasse que os novos recursos estariam em vigor “pelo menos” até o dia da eleição, o fato de que eles ainda estão sendo lançados há mais de três semanas sugere que uma abordagem de longo prazo para a desamplificação de conteúdo pode estar em andamento.