O Twitter anunciou na última terça-feira (4) que vai comprar o Scroll, o serviço que permite que assinantes leiam conteúdos selecionados em anúncios. O Scroll funciona por meio de uma parceria com os veículos, que recebem a maior parte do valor das assinaturas. A empresa anunciou que vai parar de aceitar novos assinantes, e que o serviço será relançado como parte de um serviço pago que o Twitter planeja lançar.

A lógica econômica é simples, a mesma de muitos jogos e aplicativos: quer navegar na plataforma sem anúncio? Pague e compense o que eu vou perder com o anunciante. Embora o serviço tenha conseguido atrair publicações importantes como a Atlantic, estrelas  como New York Times e Wall Street Journal preferiram não aderir — ambos têm modelos bem desenvolvidos e lucrativos de assinaturas, aliás.

O Twitter não revela exatamente o que será este seu novo serviço pago, apenas que ele existirá, mas a aquisição do Scroll dá dicas sobre o caminho a ser seguido. Uma coisa é atrair assinantes para um serviço isolado que e permite ler sem anúncios; outra é pagar um pacote do Twitter que, entre outras funcionalidades, permita que você faça isso a partir de um clique no próprio Twitter.

O Scroll foi lançado em janeiro de 2020 pelo ex-CEO do Chartbeat, Tony Haile. O time inteiro de 13 pessoas será absorvido pelo Twitter. O valor da transação não foi informado.