O Uber anunciou, nesta segunda-feira (9), a aquisição do Jump, um serviço de compartilhamento de bicicletas lançado com um pequena frota em San Francisco, nos Estados Unidos.

•  Novo serviço colocará 20 mil bikes nas ruas de São Paulo sem pontos fixos
Prepare-se que o Uber Bike vem aí

O Jump já havia firmado parceria com o Uber em um programa piloto que permitia aos usuários do serviço de caronas reservar bicicletas diretamente pelo app. E essa parceria parece render outros frutos – mas os termos da aquisição não foram divulgados. O TechCrunch noticia que a compra da startup pode custar mais de US$ 100 milhões.

Parte do negócio inclui que cem funcionários do Jump passem a fazer parte do quadro de empregados do Uber, com o objetivo de lançar o serviço de bicicletas, atualmente disponível em San Francisco e Washington D.C., globalmente. O Uber passará a cuidar de algumas das operações do Jump, incluindo recursos humanos e finanças.

“Nosso principal objetivo é um que compartilhamos com cidades de todo o mundo: tornar mais fácil viver sem um carro pessoal”, escreveu o CEO do Uber, Dara Khosrowshahi, em um post de blog da empresa. “É por isso que estamos comprometidos em reunir múltiplos modos de transporte dentro do app Uber – assim, você pode escolher a maneira mais rápida e acessível de chegar ao seu destino, seja ela em um Uber, uma bicicleta, o metrô, ou outra.”

A aquisição do Uber surge depois de estudos sugerirem que companhias de caronas estão aumentando o congestionamento em muitas cidades já congestionadas.

O Uber afirmou ao New York Times que a empresa está usando dados coletados pelo app de caronas para determinar quais vizinhanças irão receber estações para as novas bicicletas.