Na semana passada, o California Department of Motor Vehicles (Departamento de veículos motores da Califórnia, em tradução livre) disse para o Uber “interromper” a operação da frota de carros semi-autônomos em São Francisco, ameaçando tomar ações legais, caso não obedecessem. O Uber continuou os testes do seu programa piloto, desafiando o alerta do órgão. Mas não durou muito e eles finalmente tiraram os carros das ruas.

• Califórnia ao Uber: pare agora de disponibilizar seus carros autônomos
• Google desiste de construir carro para se concentrar apenas em tecnologia para veículos

Na noite de quarta-feira, o Departamento revogou o registro de 16 carros autônomos do Uber, afirmando num comunicado que eles foram “emitidos indevidamente” e que os veículos não estavam marcados corretamente. Pouco depois, o Uber confirmou que estava suspendendo os testes em São Francisco.

“Paramos nosso teste piloto de carros autônomos na Califórnia depois que o Department of Motor Vehicles revogou os registros dos nossos veículos”, contou um porta-voz da companhia ao Buzzfeed. “Estamos procurando um outro lugar onde possamos redistribuir esses carros, mas continuamos 100 por cento comprometidos com a Califórnia e iremos redobrar nossos esforços para desenvolver regras operacionais em todo o estado”

Desde que o Uber lançou o serviço de transporte autônomo em São Francisco na semana passada, o estado insistiu que a companhia precisava de uma permissão para esse tipo de veículo, e que eles não a possuíam. A companhia, por outro lado, disse que essa regra não valia para os carros desse teste, já que eles não podem ser conduzidos sem um motorista humano para monitorá-lo.

Esses operadores humanos deveriam intervir quando necessário, mas já no primeiro dia de testes em São Francisco, um carro que parecia ser um veículo autônomo do Uber foi flagrado ultrapassando o sinal vermelho. Em sua investigação inicial, a companhia disse que o carro em questão não fazia parte do programa de carros autônomos, mas um conduzido por um motorista humano.

Foto: AP.