Nesta sexta-feira (25), a agência nuclear da Ucrânia registrou um aumento nos níveis de radiação na região de Chernobyl, onde ocorreu o acidente nuclear em 1986. O local fica a 100 quilômetros da capital Kiev, mas por enquanto não representa ameaça. 

O fenômeno está relacionado à ocupação da Rússia na região. De acordo com as autoridades ucranianas, a chegada de veículos militares pesados na área acabou agitando o solo e levantando poeira radioativa. 

Hoje, o reator nuclear fica coberto por uma estrutura de concreto que evita o espalhamento da radiação. Próximo a ele, os níveis de radiação ficam em torno de 3 microsieverts por hora, mas ontem o número chegou a 65 microSv/h –mais de 20 vezes acima do comum. 

A Polônia, que faz fronteira com a Ucrânia, não registrou alterações nos níveis de radiação em sua atmosfera. Além disso, os valores devem voltar a cair após os soldados russos deixarem o local. 

Por enquanto, não há perigo relacionado ao episódio, mas as autoridades devem se manter alertas. Chernobyl é uma região inabitada e que não foi projetada para servir como zona de guerra.

A Ucrânia diz que oficiais do país tentaram defender Chernobyl de uma nova tragédia, mas foram vencidos por tropas russas. Os EUA corroboram com a história, alegando que possuem “relatos confiáveis” de que funcionários da usina foram feitos reféns no local. Autoridades russas não comentaram sobre a ação.