Em emergências sérias, uma hemorragia pode causar levar o paciente a morte muito rápido. Pensando nisso, uma equipe de pesquisadores desenvolveu uma enzima injetável que estanca o sangramento de feridas.

A equipe da Universidade de Washington criou um polímero sintético chamado de PolySTAT. A substância artificial imita a enzima responsável pela coagulação do sangue, chamada de Fator XIII, que cruza com a fibrina formada pela coagulação. Este interligação estabiliza o coágulo de forma mais rápida que o próprio corpo humano, além de impedi-lo de romper com facilidade.

>>> Transfusão de sangue jovem pode ser o caminho para a juventude eterna

Testes com o polímero sintético já foram feitos em laboratórios, tanto em placas de petri quanto em ratos. Nos testes animais, uma grande ferida foi feita nas artérias dos ratos; os roedores que não receberam o PolySTAT perderam 11 vezes mais sangue que aqueles que receberam. Os resultados foram publicados na Science Translational Medicine.

É claro que existem diversas formas de estancar um sangramento, mas uma forma alternativa barata e de confiança precisa ser criada para os momentos nos quais as tradicionais, como curativos e aplicar pressão, não funcionam — seja ela em gel ou sangue de caranguejo.

Os cientistas responsáveis afirmarem que o material é bastante estável quando armazenado corretamente, o que permite que ele seja carregado em um kit de primeiros socorros. Além disso, o fato dele ser injetável poderia permitir que grandes áreas do corpo sejam tratadas — e não só sobre a pele, mas sob ela também — estacando o sangramento grandes ferimentos.

De qualquer maneira, é melhor manter alguns Band-Aids com você. Pelo menos por enquanto. [Science via Popular Science]

Imagem de capa por Joshua Stearns sob licença Creative Commons