Dois anos depois de uma nuvem misteriosa de radiação varrer a Europa, uma equipe de cientistas identificou que a fonte do vazamento era uma usina de reprocessamento nuclear na Rússia, que estava preparando materiais para um experimento de física italiano na época.

No início de outubro de 2017, uma nuvem de material radioativo percorreu toda a Europa. As estações de monitoramento de todo o continente relataram uma liberação aparentemente considerável de rutênio radioativo-106, embora não em níveis considerados perigosos para a saúde humana. O vazamento foi atribuído a um grande acidente nuclear, mas a fonte da nuvem radioativa permaneceu um mistério, já que nenhum país ou instalação assumiu a responsabilidade.



Logo após o incidente, o instituto francês de segurança nuclear apontou que a fonte era uma instalação nuclear na Rússia ou no Cazaquistão, sendo o complexo nuclear de Mayak, no sul dos montes Urais, o mais provável culpado.

A Rússia negou a acusação, dizendo que nenhuma amostra de solo radioativo poderia ser detectada na área ao redor das instalações de Mayak. Em vez disso, autoridades russas culparam o episódio por um satélite não identificado que queimava na reentrada atmosférica, resultando na liberação de radiação de sua bateria de radionuclídeo. Investigações realizadas pelo Instituto de Segurança Nuclear da Academia Russa de Ciências não puderam verificar a fonte do vazamento, citando dados insuficientes.

Um novo estudo publicado no Proceedings of National Academy of Sciences agora afirma ter preenchido essa lacuna de dados, fornecendo novos insights sobre o incidente de 2017.

A investigação foi conduzida por pesquisadores do Instituto de Física Atômica e Subatômica da Universidade de Tecnologia de Viena e envolveu cerca de 70 especialistas de todo o mundo. O trabalho “apresenta o conjunto de dados de monitoramento mais relevante” do vazamento radioativo, de acordo com o documento. A pesquisa incluiu mais de 1.300 medições de rutênio radioativo-106 tomadas de estações de monitoramento em quase 30 países.

A análise dos dados sugeriu uma liberação de rutênio radioativo de 25 a 26 de setembro em um período de cerca de 18 horas. Os autores descreveram isso como uma “liberação pulsada”, que aconteceu muito rapidamente. Em contraste, acidentes em Chernobyl e Fukushima envolveram vazamentos que ocorreram ao longo de dias.

A primeira detecção de partículas radioativas ocorreu em 2 de outubro de 2017 em Milão, na Itália, seguida de detecções na República Tcheca, na Áustria e na Noruega no mesmo dia. As taxas de radioatividade foram medidas entre 1 e 10 milibecquerels por metro cúbico de ar. Esta “detecção generalizada em tal faixa imediatamente sugeriu uma liberação considerável”, observaram os autores no novo estudo.

De fato, o incidente é agora considerado o “maior lançamento único de radioatividade de uma usina de reprocessamento”, disse Georg Steinhauser, um dos coautores do novo estudo e professor da Universidade de Hanover, em um comunicado à imprensa.

O vazamento não foi causado por um acidente em uma usina nuclear, que teria produzido uma grande variedade de materiais radioativos em vez de apenas um. Esse incidente foi incomum, pois envolveu exclusivamente o rutênio-106, que sugeria fortemente uma usina de reprocessamento nuclear como a fonte mais provável. Vazamentos de radiação podem acontecer quando o combustível nuclear é reprocessado.

Concentrações médias de rutênio radioativo detectadas em toda a Europa durante o incidente. Imagem: O. Masson et al., 2019/PNAS

Os níveis mais elevados de radiação detectados atingiram 176 milibecquerels por metro cúbico de ar, o que é cerca de 100 vezes maior do que as concentrações medidas na Europa na época do acidente de Fukushima. A extensão geográfica do vazamento foi considerável, com estações de monitoramento relatando níveis incomuns na Europa Central e Oriental, na Ásia, na Península Arábica e até no Caribe.

A liberação total foi estimada entre 250 e 400 terabecquerel de rutênio-106. Em comparação, o desastre nuclear de Chernobyl, em 1986, liberou cerca de 5,2 milhões de terabecquerel, enquanto o desastre de Fukushima, em 2011, produziu cerca de 900 mil terabecquerel.

Consistente com os relatórios anteriores, os autores atribuíram a fonte do vazamento à usina nuclear russa de Mayak, no sul dos Urais. Os pesquisadores “puderam mostrar que o acidente ocorreu no reprocessamento de elementos de combustível irradiado, em um estágio muito avançado, pouco antes do final da cadeia de processo”, disse Steinhauser. “Embora não haja atualmente nenhuma declaração oficial, temos uma boa ideia do que pode ter acontecido.”

Felizmente, o rutênio-106 — um nuclídeo radioativo que é produzido durante a divisão dos átomos em um reator nuclear — é um dos isótopos radioativos mais amigáveis, com uma meia vida de 374 dias, tornando-o útil em ambientes de pesquisa. Curiosamente, os pesquisadores descobriram que uma instalação de pesquisa italiana havia encomendado materiais de Mayak antes do incidente, em preparação para um experimento com neutrinos.

É importante ressaltar que os pesquisadores descartaram um satélite que caiu como uma possível fonte de radiação, dizendo que nenhum satélite desapareceu durante esse período, e que um satélite provavelmente não introduziria radioatividade de tal forma nas baixas altitudes afetadas, entre outros fatores. A Romênia, que registrou alguns dos níveis mais altos durante o incidente, também foi descartada como fonte de radioatividade devido à sua geografia e padrões climáticos observados na época.

O alegado incidente em Mayak não é o primeiro a acontecer nesta fábrica. Durante o Desastre Kyshtym de setembro de 1957, um tanque contendo resíduos líquidos da produção de plutônio explodiu, causando séria contaminação ambiental local. É classificado como o segundo pior desastre nuclear depois de Chernobyl, com até mesmo o 2011 desastre de Fukushima ranking atrás dele.

O fato de que nenhum país ou instalação nuclear tenha admitido este incidente é obviamente muito preocupante. Os acidentes nucleares — por menores que sejam — precisam ser relatados, dadas as possíveis consequências para a saúde humana e o meio ambiente. Infelizmente, parece que a Rússia aprendeu pouco desde o acidente de Chernobyl, no qual o governo soviético hesitou por dois dias inteiros antes de reconhecer o colapso catastrófico para o mundo.