Nosso planeta, infelizmente, não vai durar para sempre. Não sabemos o que vai acontecer ele no futuro, mas o pessoal do Life Nogging decidiu conduzir um pequeno exercício cerebral para ver como poderíamos converter planetas como Marte e Vênus, ou até mesmo satélites como Europa, em uma segunda Terra.

O ambicioso plano para encontrar a próxima Terra usando um pequeno telescópio espacial
O planeta parecido com a Terra mais próximo do nosso sistema solar pode ser um mundo aquático

Parece fácil em um primeiro momento: faça a atmosfera ficar mais espessa ao bombear amônia em Marte (usando cometas ricos em gelo trazidos do sistema solar exterior); adicione algumas plantas para aquecer a atmosfera e torná-la mais parecida com a Terra, derreta algumas calotas polares para ter água e pronto, temos uma nova Terra.

Claro, não é tão simples assim. É por isso que a Terra é o melhor planeta que existe. Marte não tem uma magnetosfera, o que significa que a atmosfera que construímos na nossa segunda Terra seria destruída por causa da radiação e dos ventos solares.

E em relação a Vênus e a lua Europa? No caso do nosso planeta vizinho, o maior desafio é a temperatura, que pode chegar a 460 graus Celsius. Uma opção é bombardear o planeta com hidrogênio trazido de gigantes gasosos, o que criaria grafite e água para gerar oceanos enormes por lá, fazendo assim a atmosfera de Vênus mais parecida com a da Terra.

No caso da lua Europa, de Júpiter, poderíamos derreter o gelo da superfície para liberar oxigênio e criar assim um mundo aquático para vivermos.

É tudo fácil na teoria, mas a prática é outra história. De qualquer forma, você pode conferir as explicações um pouco mais detalhadas no vídeo abaixo (em inglês):