Nos privar de comida até quase o ponto da inanição não parece muito atraente, mas isso pode prolongar as nossas vidas e prevenir doenças relacionadas à idade. Uma análise combinada de dois estudos mostra que a restrição calórica funciona em macacos, nos mostrando seu potencial para funcionar com humanos. Mais pesquisa é necessária antes de podermos ter certeza que funciona em humanos, então você provavelmente deve evitar qualquer medida dietária drástica no momento.

• Estudo afirma que a longevidade humana está limitada aos 122 anos
• Um promissor remédio antienvelhecimento está prestes a ser testado em humanos

Um estudo colaborativo da universidade de Wisconsin-Madison e o National Institute on Aging mostra que a restrição calórica (RC) pode melhorar a saúde e a sobrevivência em macacos rhesus. O novo estudo, publicado na Nature Communications, está ajudando a resolver uma das áreas mais controversas do estudo do envelhecimento, enquanto também esclarece como a RC funciona em primatas.

Em 1930, pesquisadores perceberam que os ratos que tinha sido privados de comida pareciam viver mais que seus irmão bem alimentados. Foi a primeira prova mostrando que o envelhecimento é um processo biológico que pode ser alterado. Estudos posteriores feitos em levedura produziram resultados similares, corroborando a noção de que a ingestão calórica está de alguma forma ligado à longevidade e à saúde.

Desde os anos 1980, vários times de pesquisadores tentaram provar essa ideia ao conduzir experimentos em animais, tipicamente reduzindo seu consumo calórico. Importante notar que esses animais nunca chegam ao ponto da inanição, nem sofrem de desnutrição, mas eles estão bem próximos do ponto da inanição.

macaco-fome-2Um par de macacos de 27 anos, o da esquerda tendo comido mais frequentemente durante sua vida do que seu colega que passou pela restrição calórica (Imagem: University of Wisconsin-Madison)

Em um importante estudo de 2009, um time da Universidade de Wisconsin-Madison mostrou que a RC conferia benefícios significativos em macacos rhesus, aumentando sua sobrevivência e ajudando a afastar doenças relacionadas à idade como o câncer, doenças cardiovasculares e resistência à insulina. Três anos depois no entanto, um time do National Institute on Aging não relatou nenhuma melhora significativa na taxa de sobrevivência entre macacos, mas eles notaram uma tendência à melhora da saúde.

“Esses resultados conflitantes projetaram uma sombra de dúvida sobre a transferência do paradigma da restrição calórica como forma de entender o envelhecimento e o que causa a vulnerabilidade a doenças relacionadas à idade”, notou a cientista do NIA, um dos autores do relatório.

No novo estudo, esses times rivais de pesquisadores juntaram suas cabeças para ver se eles conseguiam entender porque terminaram com resultados tão díspares. Com esse fim, eles olharam os dados que coletaram através dos anos, incluindo o trabalho feito em quase 200 macacos. Suas análises mostraram que a RC ajuda de fato a manter os macacos mais saudáveis e ter uma vida mais longa, e que haviam diferenças cruciais entre os dois estudos, o que tornou sua correlação difícil.

Por exemplo, os macacos rhesus usados nos dois estudos entraram em dietas de RC em idades diferentes. Parece que a RC é benéfica para adultos ou primatas mais velhos, mas não para animais mais novos (esse não é o caso entre roedores, que respondem à RC mesmo novos, em termos de saúde e longevidade). Os pesquisadores também descobriram que a ingestão de comida era inconsistente entre os vários testes e grupos de controle, e que até as menores diferenças na ingestão de comida em primatas afetou sua idade e saúde.

Relacionadamente, descobriram que a qualidade da comida dada aos macacos variava absurdamente entre os dois estudos. Os macacos do NIA comiam comidas naturais, enquanto os macacos da UW-Madison comiam comida processada com maior conteúdo de açúcar. Isso resultou em um grupo de controle substancialmente mais gordo na UW-Madison.

Os pesquisadores também descobriram que a RC moderada é bem efetiva, mas reduções mais severas de comida podem não ser tão benéficas para a saúde dos macacos (a RC de 20 por cento é considerada baixa, 30 por cento moderada, e 50 por cento severa). No teste da UW-Madison, os macacos viveram significativamente mais do que os outros; machos em RC viveram cerca de dois anos a mais, enquanto as fêmeas viveram em média 6 anos a mais. Os primatas também mostraram menores taxas de câncer e doenças coronárias.

O mecanismo exato pelo qual a RC pode aumentar a longevidade ainda está sendo debatido. Possivelmente fatores que contribuem que os cientistas identificaram incluem a redução da temperatura corporal, redução das divisões celulares, taxas metabólicas menores e dano de DNA reduzido.

“É sem precedentes que times de pesquisadores como esses se juntassem, dividissem os dados e descobrissem uma forma de explicar porque chegaram a resultados tão diferentes.”, disse S. Jay Olshansky um especialista em envelhecimento da Chicago’s University of Illinois, que não estava envolvido no estudo. “Agora podemos acrescentar a RC ao nosso arsenal de intervenções potenciais desenvolvidas para aumentar o período da vida saudável nos humanos… mas agora temos razão para acreditar que a extensão de saúde também vem acompanhada da extensão da vida” Olshansky diz que ainda não provamos que o RC funciona da mesma forma em humanos, mas agora nós temos “razão para ficar otimistas que a RC fornece benefícios de saúde e longevidade em humanos”, ele disse ao Gizmodo.

Nenhum teste com humanos foi planejado, mas algumas pessoas já começaram a praticar a RC. O site CR Society International dá informação e recursos para pessoas que estiverem interessadas.

Kevin Perrot, diretor da SENS Foundation, está empolgado com os resultados, em diz que esse trabalho deve servir de inspiração para laboratórios que trabalham com o mesmo problema. “Falta de transparência e compartilhamento de informações nos estágios de planejamento dos experimentos resulta em atrasos que por fim pode custar vidas e causar décadas de progresso travado, enquanto a comunidade científica trabalha para obter fundos para reproduzir os resultados”, ele disse ao Gizmodo. “Se os primeiros experimentos tivesem sido coordenados e a informação tivesse sido compartilhada nos primeiros estágios dos experimentos, teríamos essas informações bem mais cedo”.

O biogerontologoista Aubrey de Grey diz que essa pesquisa alivia as disprecâncias encontradas nas duas pesquisas, mas ele está preocupado que os benefícios da RC estão sendo exagerados. “Infelizmente, [esse estudo] solidifica a conclusão cnetral que muitos dos campos escolheram esconder, a magnitute do impacto na longevidade, e até da saúde, dos macacos é muito menor do que a observada nos roedores”, ele disse ao Gizmodo. “Essa conclusão na verdade é facilmente prevista na teoria evolucionária básica, então é a confirmação desses experimentos longos e árduos é encorajadora de certa forma, mas também levanta grandes dúvidas no valor de muitos dos esforços atuais de desenvolver a ‘mimética RC’ que pode ser usada em humanos”.

Por ‘miméticas RC’ Grey está se referindo à classe hipotética de suplementos alimentares ou remédios que replicariam os efeitos da dieta com restrição calórica. Não é imediatamente óbvio que essas drogas sejam possíveis, ou se teremos um impacto mensurável na saúde ou longevidade. Como outros defensores das extensões radicais de vida, Grey acredita que intervenções mais substanciais seriam necessárias para impedir os muitos efeitos do envelhecimento, e não apenas uma droga que imita o efeito da quase inanição.

[Nature Communications]

Imagem do topo: Dois macacos rhesus do estudo da University of Wisconsin-Madison. A foto, que foi tirada em 2009, mostra Canto (esquerda) e Owen (direita). Surpreendentemente, Canto, que está em uma diétia RC, tem 29 anos, enquanto owen, que recebe pastilhas que consistem de 30% de açúcar tem 27 anos. (Imagem: University of Wisconsin-Madison, foto por Jeff Miller)