A Mozilla, organização sem fins lucrativos de privacidade e segurança que também é responsável pelo desenvolvimento do navegador Firefox, está lançando sua própria VPN.

Após um período de testes beta, a organização lançou a Mozilla VPN por US$ 5 por mês. As VPNs, sigla em inglês para redes virtuais privadas, são usadas para acessar informações fora da sua região e proteger-se ao navegar em redes públicas. Para saber mais sobre por que você deve usar uma VPN, consulte este post.



Com a Mozilla VPN, uma única assinatura pode ser usada em até cinco dispositivos, não há limitações de largura de banda e ela está disponível para usuários nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Cingapura, Malásia e Nova Zelândia. A empresa disse que planeja expandir para outros países ainda este ano.

Atualmente, a Mozilla VPN está disponível para Android e Windows 10, mas sua versão para iOS ainda está na versão beta. A empresa observa em seu site que o suporte ao Linux e Mac está “chegando em breve”.

A Mozilla não está muito distante dos preços de outras VPNs de assinatura populares já existentes no mercado. A Private Internet Access, por exemplo, custa cerca de US$ 3 por mês se você pagar por ano (ou cerca de US$ 10 por mês pago mensalmente). Enquanto isso, o ProtonVPN Plus custa cerca de US$ 9 por mês. De acordo com a Mozilla, esta VPN deve ser bastante direta e fácil de navegar, o que significa que pode ser uma boa opção para quem não tem muita experiência com serviços desse tipo

Ao contratar uma VPN, é importante pesqusar quem está por trás dela e o que está sendo registrado e também avaliar suas necessidades individuais em termos de recursos e velocidade. Toda empresa precisa ganhar dinheiro, e é importante considerar o que uma organização está fazendo para oferecer um produto barato ou gratuito para você.

A Mozilla VPN afirma que não registra nem rastreia nenhuma atividade de rede e segue os Princípios de Privacidade de Dados da Mozilla. A VPN também não “faz parceria com plataformas de análise de terceiros que desejam criar um perfil do que você faz online”, diz a empresa. Segundo a Wired, a Mozilla solicitou uma auditoria independente do produto, e um relatório será disponibilizado ainda este ano.