O Google está ciente de que o YouTube é o maior sugador de tempo da internet, fazendo com que os usuários caiam em incontáveis vórtices de vídeos relacionados. Agora, como parte do aparente novo interesse da empresa em bem-estar digital, ele está introduzindo um recurso que incentivará as pessoas a se afastarem do fluxo interminável de vídeos, mas apenas se optarem por isso.

Durante o Google I/O 2018, a empresa apresentou novas notificações de “dar uma pausa”, que, gentilmente, incentivam os usuários a encontrar outra coisa para fazer além de assistir a outra hora de clipes carregados de programas de TV ilegalmente publicados a uma velocidade de 1,25x para evitar o sistema automático de detecção de copyright ou outra coisa que você esteja vendo.

• Agora você pode ver com facilidade o que as pessoas mais estão ouvindo no YouTube
• Brasileiros estão entre os usuários que mais denunciam vídeos impróprios no YouTube

O novo recurso é acessível visitando seu perfil no aplicativo do YouTube para celular e abrindo o menu “Configurações”. Embaixo de “YouTube”, há uma configuração marcada como “Lembre-me de dar uma pausa”. O usuário pode escolher a frequência com que o YouTube envia essa notificação: nunca ou a cada 15, 30, 60, 90 ou 180 minutos.

A configuração padrão é, claramente, “nunca”, e a maioria das pessoas não vai se dar ao trabalho de ir configurar a notificação, então as sessões intermináveis de vídeos que os algoritmos do YouTube foram programados para criar provavelmente não terão um fim tão cedo.

Essas longas sessões de vídeos ocorrem por causa do design do próprio Google. Falando em um painel na CES 2018, o diretor de produtos do YouTube, Neal Mohan, disse que a sessão média de visualização no aplicativo móvel do YouTube dura mais de 60 minutos e que cerca de 70% do tempo gasto assistindo a vídeos no YouTube não é ditado pelo usuário, mas, sim, por recomendações automatizadas.

Conforme descobrimos nos últimos meses, o YouTube é muito bom em fazer com que as pessoas continuem assistindo ao conteúdo, mas é muito ruim em moderar esse conteúdo. É assim que suas sugestões algorítmicas produziram todo tipo de vídeos estranhos e muitas vezes inadequados que foram apresentados para crianças — um problema que ficou tão ruim que a empresa teve que anunciar que traria moderadores humanos para examinar o conteúdo disponível por meio da plataforma YouTube Kids.

O Google pode divulgar o seu conceito de bem-estar digital o quanto quiser. O fato é que ele está tentando corrigir um problema que criou e está bem menos investido no resultado disso, porque isso potencialmente prejudicaria sua lucratividade. Veja tudo o que você precisa saber sobre onde estão os interesses da empresa: o recurso de reprodução automática, que enfileira um vídeo recomendado e o reproduz sem nenhuma interação do usuário, é ativado por padrão. As novas notificações para dar uma pausa precisam ser ativadas manualmente.

[The Next Web]