Antes de uma viagem, o youtuber Rich Aloha foi mergulhar em uma cachoeira no Tennessee (EUA), e ele filmou-se dizendo que planejava fazer “caça ao tesouro” na água, com a expectativa de encontrar um drone, iPhone ou uma GoPro. Em vez disso, ele encontrou um cartão SD que pode fornecer um desfecho para uma família de luto pela morte de seu filho.

Aloha disse à WSB-TV que os guardas do parque lhe disseram para procurar algo que possa ter pertencido a um homem que se afogou há alguns anos. Richard Ragland morreu enquanto nadava com amigos no Parque Estadual Foster Falls em junho de 2017. O garoto, de 22 anos na época, tinha sido soldado da Guarda Nacional e era conhecido por ser um bom nadador, por isso seu pai ficou surpreso com o evento trágico. Um amigo teria tentado resgatar Ragland quando eles notaram que ele não saiu da água.

Aloha filmou-se mergulhando nas mesmas águas onde Ragland se afogou. A filmagem mostra ele gritando animadamente debaixo d’água quando encontrou uma GoPro. Ela estava enterrada e, no início, ele só viu a ponta do parafuso de metal saindo.

Ele disse à WSB-TV que depois verificou a filmagem no cartão SD e percebeu que a GoPro documentou os últimos momentos da vida de Ragland.

“Eu estava passando pela gravação e disse: ‘Meu Deus, esse é o cara’”, disse Aloha à WSB-TV.

Ele então localizou os pais de Ragland, Robin e Gary McCrear, e deu a eles o cartão SD que não havia sido danificado na GoPro. Robin disse à WSB-TV que ver a filmagem de seu filho foi uma experiência “fora do corpo”.

“Para ele se esforçar tanto para fazer sua pesquisa, fazer vários telefonemas, ele não desistiu até entrar em contato conosco e isso significa muito para nós”, disse Robin à emissora de notícias.

Robin e Gary disseram à WSB-TV que eles têm dúvidas sobre o afogamento de seu filho. Logo depois que Ragland morreu, um guarda florestal enviou aos McCrears uma carta que supostamente continha um USB com imagens de Ragland gravadas por outra pessoa, mas quando abriram o envelope, ficaram de coração partido ao perceber que parecia que alguém havia roubado o pendrive.

Dois anos depois, em uma reviravolta quase assustadora do destino, chegou uma unidade com imagens reais de seu filho. No início, os McCrears só assistiram a algumas das primeiras filmagens no cartão SD, que mostra “Rich sendo Rich, vivendo a vida ao máximo”, disse Robin à WSB-TV.

Eles disseram que planejam um dia assistir os momentos finais para que possam ter uma melhor compreensão do que aconteceu com seu filho.