Se um trailer condensa um filme de duas horas em três minutos com os elementos essenciais, como seria condensar um trailer de filme? Para fazer isso, você pode usar um software de reconhecimento de objetos.

• Stranger Things tem o elenco ideal para um hipotético Star Wars Origins, e este artista prova isso
• A jornada de Gandalf em três pôsteres sensacionais

O Stoj, um estúdio de codificação de Copenhague na Dinamarca, analisou o trailer de O Lobo de Wall Street por meio de um algoritmo de detecção de objetos que identifica e rotula tudo na tela. Nos três vídeos separados abaixo, nós basicamente vemos como os algoritmos assistem aos filmes. Eles classificam as coisas essenciais — como uma gravata, uma taça de vinho, uma cadeira —, mas deixam de fora as coisas específicos. É como uma improvisação visual.

O primeiro filtro de vídeo usa mascaramento de objetos, então apenas aqueles reconhecidos pelo software aparecem. Basicamente, todo objeto é classificado, embora haja alguns erros. Ele acha que o McConaughey está vestindo duas gravatas — o que não acho que ele faria, mas isso não vem ao caso — e não consegue notar a diferença entre uma taça de vinho, uma de água e outra de martini.

A segunda versão borra os humanos para que você veja apenas as caixas de descrição. Porém, Leo e Matt ainda são completamente reconhecíveis por suas vozes.

A versão final (e a mais legal de todas) remove completamente o visual, basicamente criando um filtro do que o software “vê” durante a análise.

Imagine se pudéssemos treinar algoritmos para reconhecer alegorias ou padrões de elenco dos filmes. Pense em um futuro em que os trailers, ou mesmo filmes completos, são condensados em telas vazias com caixas de texto substituindo o rosto do Bruce Willis ou do Nicholas Cage com [ATOR EM ENVELHECIMENTO] ou o trailer do próximo filme do Michael Bay com [UMA SÉRIE DE EXPLOSÕES] ou qualquer “comédia” do Adam Sandler com [NEM SE INCOMODE EM VER]. Talvez o futuro não seja tão sombrio, no fim das contas.

[Prosthetic Knowledge]