A mudança climática é ruim, a carne é ruim, tudo é ruim. Mas os americanos comeram menos carne vermelha entre 2005 e 2014, o que evitou a emissão de bastante gás de efeito estufa na atmosfera, de acordo com um novo estudo. Talvez diminuir os hambúrgueres esteja fazendo bem ao meio-ambiente.

• Relatório ambiental mostra como a situação do Ártico em 2016 foi terrível
• Os oceanos estão esquentando mais rápido do que imaginávamos

O Conselho de Defesa de Recursos Naturais dos Estados Unidos (ou NRDC, na sigla em inglês) lançou um relatório neste mês, detalhando como a diminuição de consumo de carne bovina de fato reduziu as emissões de gases de efeito estufo. Eu certamente não vou te dizer para parar de comer hambúrgueres, mas esses resultados podem fazer você pensar duas vezes antes de pedir aquela carne bovina em vez de frango ou peixe.

As vacas produzem gases de efeito estufa, que, por sua vez, impulsionam o aquecimento global. Não se trata apenas de seus peidos ricos em metano, embora o metano seja um gás de efeito estufa 30 vezes melhor em reter calor do que o dióxido de carbono. Todo o processo agrícola, desde o cultivo e a colheita de alimentos ao transporte até o processo de engorda, emite gases de efeito estufa.

O NRDC fez alguns cálculos e descobriu que os americanos diminuíram seu consumo de carne em 19% entre 2005 e 2014, evitando 185 milhões de toneladas métricas de poluição climática na atmosfera, que eles comparam às emissões de escapamento de 39 milhões de carros. As mudanças gerais de dieta dos americanos equivalem a uma redução de 9% nas emissões de gás de efeito estufa vindas de alimentos durante este tempo.

Os cálculos do relatório são baseados em análises anteriores feitas por outros cientistas, combinadas com 197 alimentos acompanhados pelo serviço de pesquisa econômica do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos e com a calculadora de emissões da Agência de Proteção Ambiental norte-americana. Porém, mesmo que o consumo de carne vermelha tenha diminuído por lá, a carne ainda é responsável por cerca de um terço das emissões de gás de efeito estufa advindas de alimentos, igualando todas as outras outras comidas juntas.

Agora, antes de prosseguirmos, vou ser sincero. Eu amo carne. Não vou parar de comer. Com meu viés em mente, aponto para fato de que o NRDC é um grupo de defesa ambiental, e seu trabalho é apresentar estes números. Então, obviamente eles estão publicando isso com um pouco de viés também. Não tenho dúvidas de que seus números sejam corretos. Mas isso é meio que um estudo do tipo “veja, olha o que poderia ter acontecido” para convencê-lo a comer menos carne. Na realidade, não sabemos o que teria acontecido se o consumo de carne vermelho não tivesse caído.

Além disso, emissões agrícolas são um fator pequeno no cenário completo das emissões de gás de efeito estufa, somando apenas cerca de 9% do total de emissões nos Estados Unidos em 2014, por exemplo. Global, a agricultura e a silvicultura correspondem a 24% das emissões de carbono.

Dito isso, a mudança climática é real e ruim. A carne não é o maior problema, e eu estou dizendo isso principalmente porque eu gosto de carne.

Ainda assim, a carne é definitivamente uma fonte de emissões de gases de efeito estufa, e se você se preocupa com o meio-ambiente, mudar para opções mais ecológicas como frango e peixe e convencer os outros a fazerem o mesmo definitivamente ajuda, embora essas fontes de proteínas também tenham seus custos ambientais. Mas se você quer fazer alguma diferença e ama hambúrgueres, não se sinta culpado. Você também pode dirigir menos, usar menos eletricidades e entrar em contato com seus legisladores para impulsionar políticas que encorajem indústrias a reduzirem suas emissões de gases de efeito estufa.

[InsideClimate News]