O Mac OS X, miticamente imune a pragas comuns aos computadores, na verdade sempre acolheu bem programas antivírus. Ou, ahn, talvez não. Confuso? Não se preocupe – leia aqui como o OS X e Windows se diferem na resistência a vírus e outras porcarias.

Não é uma questão de opinião: o OS X é menos suscetível a pegar um resfriado do que o Windows. Assim como o Linux, no que diz respeito ao assunto. Existem duas boas razões para isso (e a urina de Steve Jobs não é uma delas). Primeiro, o Windows está presente em 89,6% dos computadores pessoais no mundo, enquanto o OS X está em apenas 8,9% deles. Segundo, a arquitetura Unix na qual o OS X e o Linux são baseados é tradicionalmente mais seguro do que o Windows, particularmente as versões pré-Vista. (Se essas razões lhe são familiares, talvez você não saiba os sutis efeitos colaterais de cada uma delas, então continue lendo).

Há diferentes maneiras pelas quais a gigantesca fatia de mercado da Microsoft acaba por prejudicar o Windows e ajudar o OS X. Por exemplo, escrever programas para prejudicar a maioria dos computadores pessoais do mundo é um uso mais eficiente de recursos do que fazer a mesma maldade para apenas um punhado da população. Em biologia, uma população mais homogênea é mais suscetível a uma praga que gere um genocídio. O mesmo princípio se aplica ao vasto ecossistema com Windows. Não estou dizendo que alguém possa escrever um vírus que acabe com todo mundo, apenas que, se todos rodam Windows, a população se torna um alvo muito mais fácil.
 
O outro lado da questão – e que você pode não ter considerado – é que a maioria dos programadores obviamente usa o Windows. Eles irão programar para o sistema operacional com o qual estão familiarizados e conhecem melhor. E ainda nesse ponto, a maioria das ferramentas e scripts utilizados para criar o caos foi escrita para Windows. O mesmo ecossistema que oferece a maior e mais suscetível audiência também oferece o terreno mais fértil para executáveis maldosos.

Mas suponha que este seja um mundo bizarro onde o OS X é rei. Será que a Microsoft faria anúncios sobre como o OS X é infestado de vírus? Bem, ainda seria mais prudente rodar um antivírus, já que haveria um monte de porcaria tentando afetar o Mac OS, mas se os malwares agissem como hoje, provavelmente não teriam o mesmo impacto que tiveram nos Windows pré-Vista.

Muito disso se deve à maneira como as permissões funcionam no OS X e no Windows. Basicamente, sistemas baseados em Unix são planejados de forma que privilégios de administrador são necessários para modificar o OS e são tradicionalmente mais rigorosos ao impô-los. Áreas críticas são protegidas dos usuários normais – você vê isso quando o OS X pede uma senha para instalar atualizações ou mudar uma configuração do sistema. Uma conta padrão não administrativa é restrita; um programa cheio de más intenções não causará muita destruição sem aquela senha.

Isso é exatamente o que o algo difamado Controle de Contas de Usuário (UAC) do Vista tenta replicar, limitando pontos de intrusão e requisitando permissão explícita do usuário para ir a qualquer lugar mais profundo. No Windows, historicamente, a implementação dessas restrições tem sido frouxas em nome da conveniência.

Isso não quer dizer que o OS X é invulnerável, de maneira alguma. A pasta de aplicativos principais é relativamente desprotegida, e qualquer aplicativo em execução pode escrever nela e na maioria das coisas dentro dela. Unido à arquitetura dos aplicativos do OS X, isso torna mais fácil substituir programas executáveis ou se camuflar e se instalar. Ainda assim, entretanto, o malware precisaria de uma permissão elevada para fazer qualquer dano hardcore ao núcleo do sistema operacional; mas ele poderia, infelizmente, acabar com a sua relativamente desprotegida pasta Home. Outro ponto de vulnerabilidade, ou pelo menos de dor, de acordo com o Mac Forensics Lab, é o livro de endereços centralizado do OS X, que também tem defesas fracas. Se o livro na pasta Home exigisse o mesmo nível de permissões, ele seria meio inutilizável, pois você teria que elevar as permissões para fazer qualquer e toda mudança.

Isso nos leva ao maior buraco na segurança do OS X, aquele que ele compartilha com todos os sistemas operacionais: você. Não importa o quão boa é a segurança embutida se um usuário estende o capacho de boas vindas a qualquer porcaria que aparece no caminho. Por outro lado, você também é a primeira, e a melhor, linha de proteção. Não faça nenhuma burrice e você ficará bem, com ou sem antivírus – qualquer que seja o sistema operacional.

  • http://www.teknogalaksi.com/teknoloji/viruslerden-400-mil-elektrik-uretildi/ visit this website

    Awesome article.Really thank you! Much obliged.

  • http://inkjetprinters mobile phones|mobile phone price comparison|mobiles|cheap contracts|o2|orange|vodafone|iphone|price

    Very good blog post.Really thank you! Fantastic.

  • http://e-shopxx.com duoc roi nhe

    Really informative post. Great.

  • http://chaussuresnikefree.freevar.com/ nike free
  • http://www.iamsport.org/pg/blog/strawnerve0/read/18055991/how-to-find-limo-service-services roseville limo service

    Appreciate you sharing, great blog article.Really looking forward to read more.

  • http://www.newbendigohospital.org.au/gallery_banner.asp nike air max 2013

    000 individuals prepared to purchase amongst about 30

  • http://www.ahwa.org www.ahwa.org

    Primarily based to the record along with maintenance regarding traditional bicycles, typically the Barber Old-fashioned Celebration offer far more with along with offtrack pursuits than ever for the purpose of supporters however age ranges. The particular few days commences Comes to an end afternoon while using world renowned Barber Exchange Match, presenting around 600 manufacturers giving critical regions along with souvenirs. Ontrack race actions, offered by AHRMA (National Old Bike racing Sport bike Connections), furthermore will begin Comes to an end afternoon along with remains in the Celebration few days.