Pessoas no Japão com o aplicativo da emissora nacional NHK instalado em seus smartphones receberam, nesta terça-feira (16), um alerta pedindo que elas buscassem abrigo depois de um provável lançamento de míssil pela Coreia do Norte. “Alerta de notícias da NHK. A Coreia do Norte provavelmente lançou um míssil. O governo alerta: evacue para dentro de um prédio ou no subterrâneo”, dizia a notificação, segundo a CNN. Era um alarme falso.

• Como é a linha direta que liga as Coreias e que voltou a funcionar na semana passada
• Hackers norte-coreanos teriam roubado planos de guerra dos EUA e da Coreia do Sul

O alerta foi enviado às 18h55 do horário local por meio do aplicativo e do site da NHK. A emissora teria corrigido o erro cinco minutos depois. O equívoco está sendo atribuído a um “erro de switching“, noticiou a NHK World.

A mensagem foi enviada como parte do sistema J-Alert, do governo japonês, que foi lançado em 2007 para que as autoridades locais pudessem alertar diretamente as pessoas sobre ameaças iminentes, incluindo desastres naturais, ataques nucleares e armados, segundo o Centro de Impacto Público.

“Antes de lançarmos o novo sistema, tínhamos que contar com autoridades locais para repassar informações de emergência para os lares, às vezes de maneira primitiva, como entrando em carros e dirigindo por aí para alertar os moradores”, afirmou Takahi Ito, autoridade de incêndios e desastres, em entrevista ao Terra Daily, em 2007, quando o novo sistema estava sendo lançado. “Mas não teríamos muito tempo para evacuar em eventos como um ataque de míssil. Com o novo sistema, podemos dar alertas às pessoas muito mais rapidamente.”

Mas o problema agora não é o imediatismo, mas, sim, a precisão. O alarme falso no Japão vem apenas dias depois de um outro alerta incorreto ter sido enviado para moradores no Havaí.

A notificação dizia: “AMEAÇA DE MÍSSIL BALÍSTICO A CAMINHO DO HAVAÍ. BUSQUE ABRIGO IMEDIATAMENTE. ISSO NÃO É UMA SIMULAÇÃO”. Mas alguns minutos aterrorizantes depois, foi noticiado que o aviso de alerta de míssil era um erro.  O governador do Havaí, David Ige, disse à CNN que “um funcionário apertou o botão errado”, um erro aparentemente simples que torna o sistema de emergência falho. Como apontou a Wired, bastou apertar o botão errado em um menu para desencadear pânico em massa.

E a mensagem errônea no Japão não é a primeira do país: em julho, a Guarda Costeira do Japão enviou um “aviso de navegação” a naviões “dentro e em torno do Japão, assim como no Sudeste da Ásia”, alertando-os de que a Coreia do Norte havia lançado um míssil, de acordo com o Japan Times. O contratempo teria acontecido durante uma simulação, e o alerta foi retirado depois de cerca de 40 minutos, quando um oficial da guarda costeira, “em outra seção, notou o erro”.

As ameaças de Donald Trump de iniciar uma guerra nuclear certamente sinalizam uma necessidade de sistemas de aviso rápidos. Mas se os sistemas em funcionamento são tão suscetíveis a erros que um equívoco humano pode fazer com que estados e nações inteiras fujam em busca de abrigo, enviando mensagens a seus entes queridos, esses sistemas precisam desesperadamente de uma atualização. Ou, talvez mais importante do que isso, precisamos de líderes mais racionais e competentes com acesso aos botões.

Imagem do topo: Getty