Há muitas coisas animadoras no Windows Phone 7. Pornografia – ou qualquer coisa “sexualmente sugestiva” – não está na lista. Em um golpe de prevenção contra os appeitos grandes, o mandato de requisitos para certificação de aplicativos da Microsoft pede conteúdo limpo.

Em muitos aspectos essa é uma jogada inteligente da Microsoft, especialmente pelos holofotes e reações que a Apple recebeu por banir com o tempo qualquer conteúdo sexual da App Store. A língua explícita proibindo o conteúdo explícito:

"Imagens que forem sexualmente sugestivas ou provocativas, conteúdo que geralmente cai na categoria de pornografia, ou conteúdo que uma pessoa comum consideraria conteúdo adulto ou próximo de ser adulto.”

Outras novidades não tão bombásticas sobre o Marketplace: desenvolvedores terão de pagar os mesmos 99 dólares que pagam à Apple para serem membros – pela mesma divisão de lucros de 70/30 – que os dará direito de colocar um número ilimitado de aplicativos pagos e até cinco gratuitos. Aplicativos gratuitos a mais custarão 20 dólares.

Perdão, aplicativos pornográficos. Vocês são muito deliciosamente sexualmente sugestivos para esse mundo. [Ars Technica via Fleshbot]