Novas revelações sobre espionagem envolvendo a NSA, a Agência Nacional de Segurança dos EUA, não param de vazar. Desta vez documentos tornados públicos por Edward Snowden revelaram que, além das comunicações em outros países (com destaque ao Brasil) e até da presidente Dilma Rousseff, a Petrobras, maior empresa brasileira, também foi alvo da espionagem norte-americana.

Ontem o Fantástico divulgou, com exclusividades, novos documentos que comprovam a invasão da rede interna da Petrobras. Classificado como “ultrassecretos” e datado em maio de 2012, o documento é uma apresentação utilizada no aprendizado de novos agentes da NSA.

O nome da Petrobras aparece em várias partes do documento, que também contempla a infraestrutura do Google. Acusado de colaborar com a espionagem americana, desta vez parece que a empresa norte-americana foi vítima. O Ministérioa das Relações Exteriores da França e a Swift, cooperativa bancária que reúne 10 mil bancos de 220 países e é responsável por analisar transações internacionais de todos os cooperados, também figuram na lista de exemplos usados nesse treinamento.

As implicações

De acordo com o documento, cada órgão espionado tem uma pasta com comunicações e endereços IP interceptados. Não dá para exatamente o que a NSA descobriu da Petrobras, mas as implicações podem ser grandes. Em outubro deve ocorrer o leilão de lotes para exploração do pré-sal, a maior descoberta recente de novas reservas de petróleo. Ter essas informações de antemão é, segundo Roberto Villa, ex-diretor da Petrobras, uma vantagem. “(…) Eventualmente, se essa informação vazou e alguém dispõe dela, ele vai numa posição muito melhor no leilão. Ele sabe onde carregar mais e onde nem carregar. É um segredinho bom.”

Além do leilão do pré-sal, a tecnologia da Petrobras para descobrir novas reservas de petróleo é uma propriedade ainda mais valiosa. Adriano Pires, especialista em infraestrutura, diz que se ele fosse espião, essa seria a primeira informação que buscaria:

“A Petrobras é a [empresa] número um no mundo em explorar petróleo no mar. E o pré-sal existe em qualquer lugar do mundo: na África, no Golfo americano, no Mar do Norte. Então, se eu detenho essa tecnologia, posso tirar [petróleo do] do pré-sal onde eu quiser.”

NSA responde, Dilma cobra explicações

Num primeiro momento, a NSA negou que use seus recursos para espionar empresas estrangeiras. Após a exibição da reportagem do Fantástico, em nota o diretor nacinal de ingeligência da agência, James Clapper, afirmou que o “órgão coleta informações econômicas e financeiras para prevenir crises que possam afetar os mercados internacionais”.

No G20, a Presidente Dilma Rousseff cobrou pessoalmete explicações de Barack Obama. A jornalistas, ela disse:

“O que eu pedi é o seguinte: eu acho muito complicado ficar sabendo dessas coisas pelo jornal. Eu quero saber o que há. Se tem ou não tem, eu quero saber. Tem ou não tem? Além do que foi publicado pela imprensa, eu quero saber tudo que há em relação ao Brasil. Tudo. Tudinho. Em inglês, everything.”

Obama se comprometeu, após assumir a responsabilidade direta e pessoalmente, que esclarecerá esse imbróglio diplomático até a próxima quarta-feira.

Para ver as matérias produzidas pelo Fantástico sobre o caso, siga o link ao lado. [G1. Foto: GOVBA/Flickr]