O Google finalmente revelou o há muito aguardado Google Drive, dando a você outra opção para enviar todos os seus arquivos para a nuvem. Mas o que ele é, exatamente?

O espaço de armazenamento de arquivos na nuvem dominado pelo Dropbox tem ficado mais populoso. SkyDrive da Microsoft, iCloud da Apple, Evernote e Box estão todos brigando pelo seu conteúdo. Mas o Google Drive talvez se destaque nesse time.

O Google Drive é um serviço de armazenamento na nuvem…

Basicamente, é uma versão mais parruda do Google Docs. Você pode guardar seus documentos, fotos, músicas, vídeos etc. tudo em um único local. Ele sincroniza com seus dispositivos móveis e seu computador, então se você mudar qualquer coisa em um gadget, a alteração surgirá automaticamente em todos os outros lugares. Ele também grava as alterações de modo que se você fizer uma edição e salvar, é possível voltar a todas as revisões feitas nos últimos 30 dias. Claro que ele também confia na robusta pesquisa do Google, com reconhecimento de imagens na navegação por fotos e algumas habilidades de OCR para detectar texto em figuras.

…que ofecere opções gratuita e pagas…

Você começa com 5 GB de espaço gratuito, em cima do qual pode fazer upgrades pagos. 25 GB custa US$ 2,99 por mês, 100 GB sai a US$ 4,99/mês e por US$ 49,99 mensais você tem direito a 1 TB. Há diversos planos intermediários, compilados pelo Paulo Higa no Tecnoblog:

  • 25 GB (US$ 2,49 por mês)
  • 100 GB (US$ 4,99 por mês)
  • 200 GB (US$ 9,99 por mês)
  • 400 GB (US$ 19,99 por mês)
  • 1 TB (US$ 49,99 por mês)
  • 2 TB (US$ 99,99 por mês)
  • 4 TB (US$ 199,99 por mês)
  • 8 TB (US$ 399,99 por mês)
  • 16 TB (US$ 799,99 por mês)

Migrando para uma conta premium seu Gmail expande automaticamente para 25 GB. Mas não tema, caro leitor muquirana: mesmo na conta gratuita, o Gmail teve um aumento considerável e agora oferece 10 GB a todos os usuários.

…integra-se ao Gmail e apps de terceiros…

Você poderá abrir coisas salvas no Gmail em outros serviços; ele é capaz de lidar com mais de 30 formatos de arquivos diferentes, incluindo os do Adobe Illustrator e Photoshop, vídeos em alta definição — e não é preciso nem mesmo ter os aplicativos correspondentes instalados na máquina. Se, por exemplo, você salvar uma música, poderá ouvi-la depois em qualquer player que quiser. O Drive também funciona bem para anexos de emails, tornando o compartilhamento muito mais fácil. Se você quer mostrar a um amigo um vídeo das suas férias, pode simplesmente passar a ele o link do arquivo em vez de anexá-lo à mensagem. Você não perde tempo enviando o arquivo, nem sei amigo baixando-o para ver localmente.

…e não é exclusivo para Android…

Google Disco no Android.Se o iCloud da Apple só se dá bem com os usuários de iOS, a contraparte do Google é aberta a todas as plataformas. o Drive é acessível de uma grande variedade de dispositivos, como tablets e smartphones Android — onde ele bizarramente é chamado, no Brasil, “Google Disco”. Apps para Android, OS X e Windows foram liberados hoje, e uma versão para iOS deve chegar nas próximas semanas.

…e será um grande desafio ao Dropbox.

Com 45 milhões de usuários, o Dropbox tem liderado o segmento de armazenamento na nuvem. Entretanto, ele dá apenas 2 GB de graça e grandes são as chances de você já estar cadastrado em um (ou vários) serviços do Google. Então quando as pessoas se decidirem por um destino para seus dados, elas se voltarão ao Drive quase que naturalmente, em vez de se cadastrar em um novo serviço externo, especialmente se forem um dos milhões que já usam o Gmail, por exemplo. Para a maioria das pessoas, 5 GB é mais que suficiente, o que significa que elas ficarão com a solução do Google.