Parece que foi ontem que estávamos vivendo sob uma ameaça nuclear constante, passando todo o nosso tempo pensando na Rússia e tentando colocar alguém na Lua. Nada mudou de fato, mas agora parece que os Estados Unidos vai trabalhar com a Rússia nesse negócio todo de ir à Lua.

• A despedida da Cassini na visão de quem trabalhou na missão
• A sonda Curiosity está capturando espetaculares imagens enquanto escala um misterioso cume

A NASA e a Roscosmos assinaram um comunicado em conjunto nesta quarta-feira (27), durante o 68º Congresso Astronáutico Internacional, em Adelaide, na Austrália, comprometendo-se a trabalhar em conjunto na pesquisa de uma porta de entrada para o espaço profundo. Essa estação espacial orbitaria a Lua e permitiria que um ambiente fosse preparado para missões tripuladas mais profundas no espaço do que as realizadas anteriormente.

Um comunicado anterior da NASA explicou que a agência espacial espera ganhar experiência com missões longe da Terra para conseguir se preparar para destinos mais distantes, como Marte. A estação planejada ficaria a apenas alguns dias de viagem de nosso planeta, mas ofereceria um ambiente para testes de equipamentos e permitiria a construção de um novo tipo de estação espacial. Por fim, poderia servir como uma porta que conecta a Terra e a Lua a destinos mais longínquos.

A Roscosmos vai oferecer assistência na exploração desse conceito de porta de entrada para o espaço profundo, atraindo parceiros comerciais como a NASA já fez, de acordo com um comunicado de imprensa lançado pela NASA nesta quarta-feira. O Guardian noticia que “os russos e os americanos cooperariam para construir os sistemas necessários para organizar missões científicas na órbita lunar e na superfície da Lua”. Eles também apontaram que enviar humanos de volta para a Lua é o tipo de missão que tomou a dianteira em comparação com a exploração de asteroides na lista de prioridades do governo norte-americano desde que Trump assumiu o cargo de presidente.

De qualquer forma, parece que os americanos vão voltar para a Lua, agora com seus novos melhores amigos, os russos, para ajudá-los.

[NASA]

Imagem do topo: Gregory H. Revera/Wikimedia Commons