Os paleontólogos descobriram um estranho novo dinossauro há alguns anos – uma colcha de retalhos maluca chamada Chilesaurus diegosuarezi. Suas características bizarras e muitas vezes conflitantes desafiaram a classificação, forçando os cientistas a adivinharem seu lugar na árvore genealógica. Agora, um nova pesquisa sugere que a tentativa inicial de classificar o Chilesaurus estava errada e que este animal representa uma importante espécie transitória dentro de um grupo diferente de dinossauros.

O estudo, publicado no Biology Letters, mostra que Chilesaurus não é um terópodo, como originalmente pensado, mas sim um membro muito adiantado de ornithischia, um grupo que inclui dinossauros com bico comedores de planta como Stegosaurus, Triceratops e Iguanodon. Pode parecer pedante, mas essa reorganização taxonômica é um grande problema para os paleontólogos. Isso significa que Chilesaurus, apesar de sua aparência de raptor, não pertence a um grupo que incluía famosos carnívoros como Tyrannosaurus rex e Velociraptor. Em vez disso, o animal representa um tipo de espécie intermediária em algum lugar entre dinossauros herbívoros e terópodes carnívoros. O novo estudo mostra como a divisão entre essas duas linhagens importantes de dinossauros pode ter ocorrido.

Os restos fossilizados de Chilesaurus foram recentemente descobertos no sul do Chile, então os paleontólogos não sabem muito sobre ele. Esta criatura bípede vivia há cerca de 145 milhões de anos durante o Período Jurássico, e apresentava um pequeno crânio, pescoço longo e corpo que se estendia por cerca de três metros da cabeça até a cauda. Tinha a aparência física de um raptor, mas a forma dos dentes e a orientação dos quadris sugeriam um estilo de vida herbívoro. De qualquer forma, esse dinossauro se parecia com o costurado de um monte de animais diferentes, e é por isso que chamaram ele de “o ornitorrinco dos dinossauros”.

Os pesquisadores da Universidade de Birmingham que o estudaram pela primeira vez decidiram categorizá-lo como um terópode, um grupo também conhecido como dinossauros “lagartos”. Mas o novo estudo, realizado por pesquisadores da Universidade de Cambridge e do Museu de História Natural, sugere que o Chilesaurus é membro do grupo ornithischia.

Imagem: Gabriel Lio via Universidade de Birmingham

“Os dinossauros foram divididos em grandes grupos com base na estrutura de seus quadris, mas esse sistema de classificação agora está desuso”, explicou o professor Paul Barrett do Museu de História Natural, co-autor do novo estudo, em entrevista ao Gizmodo . “Os terópodes têm um arranjo de ossos do quadril semelhante ao da maioria dos outros répteis (como lagartos e crocodilos), com um dos ossos, chamado púbis, apontando para baixo e para frente. Em contraste, os ornithischia têm regiões de quadril de formato diferente, onde o osso do púbis é girado de modo que ele aponte para baixo e para trás, como também ocorre nas aves vivas hoje em dia”.

De maneira confusa, no entanto, Barrett diz que esse arranjo semelhante a um pássaro parece ter surgido pelo menos duas vezes de forma independente na evolução dos dinossauros – uma vez no antepassado comum de ornithischia (como é o caso de Chilesaurus) e uma vez dentro de terópodes, levando à origem dos pássaros.

Chilesaurus, como o novo estudo sugere, pertence ao grupo ornithischia de dinossauros, mas ainda é uma espécie estranha. Os quadris ornithischianos proporcionaram uma configuração corporal que era mais propícia para sistemas digestivos complexos, permitindo que esses comedores de plantas caminhassem ao longo de um caminho evolutivo único. Mas o Chilesaurus, sem um bico ornithischiano característico e com um corpo muito parecido com um raptor, representou um membro inicial e provavelmente de transição desse grupo. Não é literalmente o “elo perdido” que divide ornithischia de terópodes (dois grandes grupos de dinossauros que viviam desde o início do Jurássico até o Cretáceo Superior), mas sua descoberta mostra como os dinossauros estavam mudando durante este momento importante na evolução.

 

“”É uma boa ilustração de como o trabalho contínuo e a obtenção de novas informações podem nos levar a mudar nossas idéias anteriores”.

A estranha combinação de características torna Chilesaurus muito difícil de classificar, e Barrett diz que as ideias anteriores sobre ele ser um terópode são “totalmente compreensíveis”, pois tem muitos recursos de terópodes em sua anatomia. Matthew Baron, um estudante de doutorado no Departamento de Ciências da Terra de Cambridge e o primeiro autor em conjunto do artigo, concorda, dizendo que os pesquisadores originais só tinham conjuntos de dados menores e especializados à sua disposição e que não havia como testar se Chilesaurus era um ornithischia ou não. No novo estudo, Barrett e Baron conseguiram usar um conjunto de dados maiores em uma maior variedade de dinossauros, permitindo que eles testassem muitas posições diferentes para o Chilesaurus dentro da árvore genealógica dos dinossauros.

“É uma boa ilustração de como o trabalho contínuo e a obtenção de novas informações podem nos levar a mudar nossas idéias anteriores”, disse Barrett ao Gizmodo.

Imagem: Gabriel Lio via Universidade de Birmingham

“O bom é que o Chilesaurus é um animal no meio do caminho, o elo perdido, entre dinossauros terópodes e dinossauros ornithischia, dois grupos que, até o nosso estudo ser publicado, foram pensados como não relacionados”, disse Baron ao Gizmodo. “Mudamos os ornithischia para se juntarem aos terópodes, mas não existiam elos perdidos para mostrar a transição entre os grupos até que o Chilesaurus foi adicionado”.

De grande importância, este novo estudo se encaixa perfeitamente na pesquisa que Barrett e Baron completaram no início deste ano, em que os autores argumentaram que os terópodes estão mais intimamente relacionados aos ornithischia do que se pensava anteriormente.

Como seu último estudo aponta, os dinossauros nem sempre podem ser encaixados facilmente nos principais grupos devido à presença ou ausência de certas características – a orientação dos quadris sendo um excelente exemplo.

“O mundo dos dinossauros não foi ocupado apenas pelos recém evoluídos. Também haviam os esquisitos que estavam lá há muito tempo”.

Matt Wedel, um paleontólogo e anatomista da Western University of Health Sciences em Pomona, que não estava envolvido no novo estudo, disse que os autores fizeram um bom trabalho ao mostrar os resultados e explicar a importância evolutiva de Chilesaurus.

“Os dinossauros ornithischianos – os dinossauros com chifres, cabeça abóbada, bico de pato e seus primeiros parentes – foram reconhecidos há mais de um século por um conjunto de características especializadas: os ossos púbicos na pelve que se inclinam para trás em vez de para frente, dando espaço para um grande trato digestivo; Um osso pré dentário na ponta do maxilar inferior para ajudar a suportar o bico; E tendões ao longo da espinha dorsal que se transformaram em osso, para ajudar a apoiar a coluna vertebral e o intestino grosso “, disse ele ao Gizmodo. “Chilesaurus mostra que esses recursos não evoluíram ao mesmo tempo. O púbis voltado para trás veio antes do osso pré dentário ou os tendões ossificados “.

Wedel diz que é assim que os cientistas entendem as transições evolutivas e que novos tipos de animais “não se formaram como Athena da testa de Zeus”. Em vez disso, eles se juntam a uma peça de cada vez como resultado da experimentação evolutiva de milhares de milhões de anos.

Imagem: Gabriel Lio via Universidade de Birmingham

“Se Baron e Barrett estiverem corretos, Chilesaurus é um tipo de Archaeopteryx dos Ornithischia – tem algumas, mas não todas, as características que normalmente associamos ao grupo, assim como o Archeopteryx tem penas, mas ainda tem muitas características primitivas”, disse ele. Archaeopteryx é uma família de dinossauros semelhantes a pássaros que representa uma transição de dinossauros emplumados não aviários para pássaros modernos.

Wedel também ofereceu alguns conselhos para jornalistas que cobrem este novo artigo.

“Por favor, não coloque nada no título sobre ‘Novo dinossauro reescreve a história evolutiva’ “, ele disse. “Sempre que há uma transição evolutiva, como animais terrestres para baleias, ou terráqueos iniciais para aves, esperamos encontrar formas de transição. O que é empolgante aqui é que Chilesaurus pode ser uma dessas formas de transição para um dos maiores e mais diversos grupos de dinossauros. Está nos dando uma janela para uma área de evolução dos dinossauro que ainda não é muito bem compreendida”.

E se Barret e Baron estiverem errados, bem, isso também é bom, diz Wedel. A verdade virá à luz por mais análises usando mais dados, diz ele.

“Por enquanto, seu trabalho parece sólido, e é um desafio para o campo testar sua hipótese ainda mais”, disse Wedel ao Gizmodo. “Este é o começo de uma história empolgante na ciência, não o fim”.

Imagem de topo: Gabriel Lio via Universidade de Birmingham

[Biology Letters]