Comidas gigantes, banheira de Nutella, inúmeras brincadeiras com milhares de gelecas. Faz um bom tempo que youtubers têm feito de tudo e mais um pouco para angariar visualizações e novos seguidores, mas talvez tenhamos chegado ao limite depois que um youtuber americano teve a infeliz ideia de publicar um vídeo com o corpo de uma vítima de suicídio.

Logan Paul, um popular youtuber americano de 22 anos que conquistou mais de 15 milhões de seguidores, postou nesse domingo (31) um vídeo com um corpo pendurado pelo pescoço em Aokigahara, Japão, também conhecido como “floresta do suicídio”. A produção faz parte de uma série de vlogs filmados no país com Logan e seus amigos.

O vídeo borra o rosto da vítima para preservar a identidade, mas não deixa de mostrar o corpo por diversos ângulos. Segundo informações do Kotaku, Logan faz várias chamadas na introdução do vídeo, dizendo que este seria o “vlog mais real já postado no canal”.

Aokigahara ganhou notoriedade mundial em 2003, quando 105 corpos foram encontrados durante o ano na floresta, como aponta a BBC. Desde então a polícia não divulga mais números de suicídios no local em uma tentativa de diminui-los na área.

Durante o vídeo, Logan tenta mostrar a importância de tratar distúrbios mentais, dizendo que “suicídio não é piada”, mas debocha quando um dos membros do grupo diz não se sentir bem, perguntando se ele “nunca viu um cara morto” e rindo.

O vídeo foi deletado depois de uma enxurrada de críticas, mas não antes de ser visto por milhares de pessoas.

Aaron Paul, o Jessie de Breaking Bad, criticou o vlogueiro em seu Twitter, dizendo estar enojado com a atitude de Logan e termina o tuíte pedindo que o vlogueiro “apodreça no inferno”. O tuíte está destacado na conta do ator e recebeu mais de 44 mil retuítes até o fechamento desta matéria.

Outros usuários e celebridades no Twitter pedem que o YouTube tome alguma atitude e o vlogueiro pediu desculpas pelo vídeo, dizendo nunca ter cometido um erro como este e que seu objetivo com o vlog era passar uma mensagem sobre suicídio e distúrbios mentais.

Um porta-voz do YouTube se pronunciou oficialmente por meio do vlogueiro Philip DeFranco, dizendo que a rede proíbe conteúdo sanguinolento e violento postado apenas com o intuito de chocar e receber visualizações, podendo este ser mantido no site apenas em casos educacionais e documentais.

Moral da história, crianças, quando se é famoso, seus amigos, por melhores que eles sejam, podem ter medo de dizer que algumas de suas ideias são ridículas demais para serem publicadas. Além disso, se for para ganhar visualizações e seguidores sendo idiota, talvez seja melhor continuar com as banheiras de comida.

Imagem de topo: captura de tela/Twitter