O Discovery Channel compilou uma lista estonteante de 10 coisas que você não sabia sobre a antimatéria – aquela coisa que, quando misturada com matéria, alimenta os propulsores de dobra de Star Trek. E este trecho me fez ficar com dor de cabeça:

Cada tipo de partícula possui a sua antipartícula, levando a algumas inevitáveis incertezas cósmicas. Em primeiro lugar, nós estamos rodeados de matéria; para onde foi toda a antimatéria?
Nós podemos até fazer esta pergunta porque, quando a antimatéria se encontra com a matéria, elas se destroem mutuamente. Isto leva a uma segunda questão: por que toda a antimatéria não destruiu toda a matéria logo nos primórdios do universo? Os físicos acham que o big bang deve ter produzido quantidades iguais tanto de matéria quanto de antimatéria. Em outras palavras, o universo já deveria ter acabado com a existência de toda a matéria e antimatéria.

 

Este é apenas um ponto interessante sobre a antimatéria. Veja aqui outros dois e depois vá até o link para ler outros sete (em inglês).

Nós passamos décadas pesquisando e desenvolvendo aceleradores de partículas com quilômetros de comprimento na tentativa de gerar alguma antimatéria. No entanto, para o Sol isto é um lance que ocorre dia sim, dia não.
Erupções solares liberam enormes quantidades de energia, sendo que os maiores, de acordo com a NASA, são equivalentes a 1 bilhão de bombas nucleares de 1 megaton cada, todas detonando ao mesmo tempo — uma explosão grande o suficiente para esmagar átomos.

 

Se você acha que a antimatéria parece ser o combustível dos sonhos, você não é o único. Cientistas e futuristas já investiram muito na promessa de um motor movido a antimatéria. Até mesmo a NASA chegou a bolar designs rudimentares de uma espaçonave movida a antimatéria, completa com aneis magnéticos de armazenagem para alojar com segurança a vital antimatéria.
Junte uma pequena quantidade de antimatéria com a boa e velha matéria "clássica" e — cabum! — você terá toda a energia de que remotamente vá precisar. De acordo com a NASA, a energia produzida por 1 grama de antimatéria se encontrando com 1 grama de matéria normal se equivaleria ao empuxo gerado atrás de 1000 tanques externos de combustível de um ônibus espacial.

[Discovery]

Observações sobre a imagem:
NO ESPAÇO (foto sem data) – uma imagem composta da Nébula de Câncer com imagens ópticas (vermelhas) e de raio-X (azuis) sobrepostas é exibida nesta foto sem data. Múltiplas observações feitas ao longo de diversos meses com o Observatório de Raio-X Chandra da NASA e o Telescópio Espacial Hubble capturaram o espetáculo da matéria e antimatéria sendo propelidas quase à velocidade da luz pelo pulsar de Câncer, uma estrela de nêutrons de rápida revolução do tamanho de Manhattan. (foto da NASA/Getty Images)