Perder malas é horrível — a não ser que você tenha uma loja como o Unclaimed Baggage Center, cujo negócio é vender malas perdidas e o que estiver dentro delas. A loja fica na pequena cidade de Scottsboro, no estado do Alabama, EUA, e 85% dos seus itens vêm do azar de passageiros — o restante é composto por encomendas devolvidas e nunca retiradas.

Tudo começou em 1970, quando Doyle Owens, seu fundador, pagou US$300 num carregamento de malas perdidas e vendeu tudo de porta em porta. Hoje, a Unclaimed Baggage Center tem 3.700 metros quadrados e recebe mais de 6 mil itens por dia, além de ter contratos exclusivos com as maiores companhias aéreas dos EUA, diz a embaixadora da loja Brenda Cantrell ao Quartz.

Segundo informações da própria loja, apenas 0,5% das malas de passageiros se perdem nos voos — a bagagem perdida só passa a ser propriedade do aeroporto depois de 90 dias sem que seu dono apareça. Pode parecer pouco, mas quando se leva em conta que os aeroportos americanos transportaram 850 milhões de passageiros no ano passado, dá para entender porque a loja tem todo esse tamanho.

E, como eles compram tudo fechado, você pode imaginar as surpresas que as malas perdidas trazem para a loja — se você já assistiu ao reality show A Batalha das Malas, sabe do que estamos falando. Eletrônicos, jóias, itens esportivos e roupas, muitas roupas. Não por acaso, o slogan da loja é “You never know what you’ll find” — você pode ver um pouco do que tem no estoque no Instagram e no Pinterest da loja. Já acharam até um Google Glass! O que não serve para ser vendido é descartado ou doado, dependendo da condição.

As roupas, aliás, representam 60% dos itens, e passam por uma gigante lavanderia própria antes de ir para as gôndolas. Mesmo entre estes itens, as surpresas não param: alguns vestidos Versace já foram encontrados, e de vez em quando aparecem lotes de kilts ou de vestidos de noiva — taí, uma boa ideia de slogan para a Unclaimed Baggage Center: “Aqui a desgraça de um casamento pode ser a alegria do seu!” [Quartz]