O acesso cada vez menor à energia, resultado do acúmulo de poeira nos painéis solares, ameaça encerrar a missão InSight Mars da NASA em abril do ano que vem.

A notícia da condição preocupante do InSight foi anunciada em 21 de junho em uma reunião do Grupo de Análise do Programa de Exploração de Marte da NASA, as informações são do SpaceNews. O constante acúmulo de poeira nos painéis solares da sonda tem sido “considerável”, como Bruce Banerdt, principal investigador da missão InSight no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, explicou durante a reunião.

Com o espanador mais próximo a cerca de 359,9 milhões de quilômetros de distância, os sedimentos marcianos foram capazes de se acumular sem controle. Banerdt disse que 80% das superfícies da matriz do módulo de pouso estão agora bloqueadas do Sol, reduzindo a quantidade de energia diária disponível para menos de 700 watts-hora, em oposição aos quase 5 mil watts-hora que estavam disponíveis quando o InSight pousou em Elysium Planitia em novembro de 2018. É uma situação que só está piorando e as coisas podem parar durante o primeiro trimestre de 2022, acrescentou.

Que a missão InSight possa terminar em breve é ​​uma notícia triste, mas não totalmente inesperada. A missão foi projetada para durar um ano marciano completo, ou 687 dias terrestres, e a perda constante da energia era esperado, de acordo com o SpaceNews. No início deste ano, a NASA estendeu a missão até dezembro de 2022, com ênfase no monitoramento da atividade sísmica. Durante a fase primária da missão, o InSight coletou dados sobre a atmosfera marciana e o campo magnético, além de detectar terremotos. O instrumento Heat Probe and Physical Properties (HP3) do módulo de pouso é outra história, já que o dispositivo nunca foi capaz de penetrar profundamente na superfície marciana e foi finalmente abandonado como projeto científico em janeiro deste ano.

A NASA esperava por “eventos de limpeza”, nos quais rajadas de vento fortuitas poderiam soprar um pouco de poeira das matrizes. A equipe tentou sacudir a poeira ativando os motores usados ​​para implantar os painéis, mas não funcionou.

Eles finalmente chegaram a uma solução criativa, embora contraintuitiva. O braço robótico do InSight foi usado para borrifar areia marciana perto, mas não diretamente acima, dos painéis cobertos com a areia. A equipe pensou que “seria possível espalhar poeira nos painéis com grãos maiores, dessa forma, os grãos maiores poderiam induzir as partículas de poeira menores no vento para fora do painel”, de acordo com a NASA. Isso foi feito em 22 de maio de 2021 e funcionou em um pequeno grau: a técnica resultou em um ganho de cerca de 30 watts-hora de energia por dia marciano. Na reunião de 21 de junho, Banerdt disse que as tentativas subsequentes de saltação ofereceram um ligeiro aumento de energia e “um pouco de tempo que não tínhamos antes”, como relatou o SpaceNews.

Uma solução inteligente de curto prazo, mas provavelmente não uma solução de longo prazo. Para piorar as coisas, Marte está caminhando para seu afélio, quando o planeta estará em seu ponto mais distante do Sol ao longo de seu caminho orbital. Isso acontecerá daqui a dois meses, período durante o qual o InSight terá acesso limitado à luz solar.

A missão é projetada de forma que a sonda possa funcionar sem seus instrumentos científicos durante este intervalo temporário. Durante a fase de afélio, que vai durar até o final de outubro, o InSight irá reservar energia para seus aquecedores, computadores e outros componentes críticos, enquanto mantém seu sismômetro (mede os movimentos no solo) ativo. Ao mesmo tempo, a NASA se absterá de transmitir comandos ao módulo de pouso estacionário. Banerdt disse que pode haver “um ou dois meses em que teremos que desligar o sismômetro, mas estamos tentando apertar nossos cintos e apontar nossos lápis para ver se podemos operar diretamente”.

Infelizmente, a situação não vai melhorar muito após o afélio, já que Banerdt espera que mais poeira caia sobre as matrizes. Eventualmente, ele acredita que a energia caia abaixo dos níveis de sobrevivência, um evento que ele prevê para abril de 2022. Se o módulo de pouso não conseguir um “aumento significativo” na produção de painéis solares, é provável que encerremos nossa missão ano que vem”, disse Banerdt.

Assine a newsletter do Gizmodo

Já vimos esse filme antes. O rover Opportunity da NASA parou de transmitir mensagens em 10 de junho de 2018  e foi oficialmente declarado morto em 13 de fevereiro de 2019. Uma tempestade de poeira global foi responsabilizada pelo fim do rover. Mas é importante não nos precipitarmos muito aqui, pois o InSight ainda não abandonou seu invólucro mortal. Esperamos que este módulo de pouso não ‘morra’ naquela areia marciana.