Um dos mais estranhos casos de pirataria dos últimos anos terminou com o advogado Paul Hansmeier se tornando um criminoso. Ele foi condenado a uma sentença de 168 meses pelo seu papel num estranho esquema de extorsão que tinha como alvo pessoas que baixaram pornografia ilegalmente.

Para refrescar sua memória, vamos retomar o caso, já que quase três anos se passaram desde que as acusações foram feitas.

Hansmeier e outro advogado, John L. Steele, foram acusados ​​de planejar um plano para extorquir suas vítimas com a cobrança de “pagamentos de acordos”. Primeiro, a dupla obteve direitos de material pornográfico (e, em alguns casos, chegou a produzi-lo) através de empresas-fantasmas.

Depois, eles enviavam esse material para sites de compartilhamento de arquivos como o The Pirate Bay. Uma vez que os vídeos eram baixados ilegalmente, Steele e Hansmeier usavam processos de violação de direitos autorais para descobrir as identidades de suas vítimas nos provedores de serviços de internet.

Então, eles usavam o nome de seu escritório de advocacia Prenda Law e pressionavam para resolver as infrações fora dos tribunais, ameaçando os réus de terem seus nomes publicamente associados à pornografia (e à pirataria).

Cobrando US$ 3 mil por acordo, a Prenda Law acumulou cerca de US$ 6 milhões dos processados entre 2011 e 2014, de acordo com investigadores. A dupla admitiu ter recolhido US$ 3 milhões em suas ações judiciais.

O juiz distrital dos EUA Joan Ericksen, que deu a sentença de Hansmeier na sexta-feira, disse a ele que “é quase incalculável o quanto seu abuso de confiança prejudicou a administração da justiça”, de acordo com o Star Tribune.

Os agentes federais envolvidos na investigação do caso também condenaram as ações de Hansmeier em um comunicado do Departamento de Justiça. Além de enganar centenas de vítimas, os promotores disseram que Hansmeier tentou destruir as evidências e repetidamente mentiu aos juízes, segundo o jornal.

No ano passado, Hansmeier se declarou culpado de acusações de conspiração para cometer fraude por correspondência e por meios eletrônicos e conspiração para cometer lavagem de dinheiro. A Justiça dos EUA determinou que ele deve pagar restituição de aproximadamente US$ 1,5 milhão. O outro réu no mesmo processo, John Steele, que se declarou culpado das mesmas acusações em 2017, deve receber uma sentença no próximo mês.