Quem prefere fazer compras de mercado por delivery vai ganhar mais uma opção. A partir de hoje, o Uber e o Uber Eats terão a opção Mercado em seus aplicativos. As compras serão feitas em uma parceria com a Cornershop, startup de entrega de compras, nas cidades em que ela já atua: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Salvador, Recife, Goiânia e Campinas.

Ao abrir o app do Uber ou do Uber Eats, você verá a opção Mercado na barra inferior da interface. Lá, você encontra vários mercados e outras lojas.

Entrando em cada um deles, consegue ver os produtos e preços em uma navegação otimizada para esse tipo de compras — os produtos estão até mesmo divididos em “corredores”, como o Uber chamou as categorias, em uma forma de tornar a experiência mais próxima de uma ida ao supermercado. Também dá para fazer uma busca global para saber que vendedores têm um produto específico.

Após fechar o pedido, você escolhe o dia e o horário que deseja receber e vê quanto pagará de frete.

A novidade foi possível por meio de uma parceria com a Cornershop, startup chilena de compras em mercados e outros tipos de lojas. A empresa tem presença forte na América Latina: atua no Chile e no México desde 2015 e chegou ao Brasil em janeiro de 2020. O Uber comprou uma participação majoritária na Cornershop no fim de 2019.

As compras do Cornershop são feitas por shoppers, cadastrados na plataforma em um esquema parecido com o de outros apps do gênero. Eles levam os pedidos no carro próprio.

Segundo Oskar Hjertonsson, co-fundador e CEO da empresa, por enquanto a integração com a Uber será mesmo só no lado da demanda — as contratações de shoppers, motoristas e entregadores continuam separadas e ainda não há previsão de se elas serão integradas. Raj Beri, chefe de Supermercado no Uber Eats, acrescenta que os motoristas do Uber serão elegíveis a se cadastrar para trabalhar também como shoppers do Cornershop.

O app da Cornershop também vai continuar operando de forma independente, para quem preferir. “Trata-se de dar mais opções”, diz Hjertonsson.

Em São Paulo, dando uma passeada pelo app da Cornershop, dá para ver que há Carrefour, Big e Hirota entre as opções de mercados, além do pet shop Cobasi e outras lojas mais específicas, como uma casa de carnes, uma pastelaria e uma sorveteria, entre outros. Segundo a Uber, Gimba, Emporium São Paulo e Varanda também estão entre as redes que usam a plataforma. Beri diz que haverá abertura para pequenos comerciantes e apoio em questões como controle de estoque.

Os preços, definidos pelos próprios mercados, parecem bastante em linha com o praticado nas lojas físicas. A entrega até minha casa, na zona norte da capital paulista, ficava entre R$ 13 e R$ 15, dependendo do mercado escolhido, mas o preço do frete pode cair em compras maiores.

Por aqui, o Cornershop vai encarar uma competição bem acirrada. iFood e Rappi já fazem entregas de mercado, e o Grupo Pão de Açúcar comprou a startup de entregas James em 2018. O próprio Uber Eats já fazia entregas de farmácias, pet shop e lojas de conveniência. “[O Cornershop] aproxima a Uber do objetivo de ser um único lugar para todas as compras de alimentação”, diz Beri.

A parceria chega em um momento em que a demanda por serviços de entrega está em alta por causa da pandemia de COVID-19, que forçou muita gente a ficar em casa. “Nos últimos meses, o mundo mudou. Há muitos consumidores que testaram ou vão testar a entrega de compras de mercado pela primeira vez.”