Conforme um incêndio irrompia a histórica Catedral de Notre-Dame, em Paris, nesta segunda-feira (15), pessoas em todo o mundo se voltavam para transmissões ao vivo para ver as chamas que destruíam a estrutura de mais de oito séculos.

Entretanto, alguns telespectadores do YouTube que assistiam às filmagens ao vivo da tragédia também recebiam informações sobre uma tragédia completamente diferente: os ataques de 11 de setembro.

Em maio de 2018, o YouTube começou a testar uma solução questionável para seu problema de proliferação de vídeos da teoria da conspiração: a inserção de um link para artigos da Wikipédia sobre o evento com o qual as teorias da conspiração se relacionavam.

O YouTube acabou sendo criticado por não consultar a Wikipédia antes de usar seu material para este programa. Um mês depois, a Encyclopedia Britannica anunciou que permitiria que o YouTube compartilhasse suas informações verificadas.

Só que parece que isso não está funcionando muito bem.

Na tarde desta segunda-feira, os jornalistas Joshua Benton e Timothy Burke compartilharam exemplos de vídeos do YouTube. Eles mostravam imagens ao vivo do incêndio de Notre-Dame, mas traziam links para a página da Encyclopedia Britannica sobre os ataques terroristas de 2001, com a imagem mostrando um prédio muito diferente em chamas.

(“Por que é que o @YouTube está colocando informações sobre o 11 de setembro sob o streaming ao vivo de Notre-Dame da @FRANCE24? [Especialmente considerando que, aparentemente, pelo menos agora, as reformas em curso são a causa mais provável, sem indicação de terrorismo]”)

(“O Google está anexando um link da Encyclopedia Britannica para o “11 de setembro” em cada vídeo ao vivo no YouTube de Notre-Dame… por alguma razão”)

Pedimos um comentário para a empresa sobre isso. Um porta-voz do YouTube nos disse:

Estamos profundamente entristecidos com o incêndio em curso na catedral de Notre-Dame. No ano passado, lançamos painéis informativos com links para fontes de terceiros como a Encyclopedia Britannica e a Wikipédia para assuntos sujeitos a desinformação. Esses painéis são acionados por algoritmos, e nossos sistemas às vezes fazem a chamada errada. Estamos desativando esses painéis para transmissões ao vivo relacionadas ao incêndio.

Este é apenas o exemplo mais recente de porque os algoritmos são, no momento, ineficazes para resolver, bem, praticamente qualquer problema complexo. É também um lembrete de que os algoritmos do YouTube sabem que é para lá que a sua mente está indo e são muito bons em se aproveitar desse instinto quando ninguém está olhando.

Em Paris, já à noite (o incêndio começou às 18h50 no horário local, 13h50 no horário de Brasília), os bombeiros anunciaram que as chamas haviam sido contidas, e a estrutura principal do edifício, incluindo as duas torres frontais, salva. No entanto, os danos ainda assim foram significativos, com a torre central da catedral, conhecida como “flecha”, desabando.