O visual do notebook gamer já é conhecido: uma carcaça parruda, teclado iluminado e mais luzinhas onde der para por. Não dá para dizer que o novo Alienware Area-51 da Dell foge muito dessa receita, mas ele tem outras características de design que são dignas de nota.

A principal delas é a possibilidade de fazer upgrades nos componentes internos, o que inclui processador, placa de vídeo, RAM e armazenamento. É como se ele escondesse um desktop em um laptop – e, nessa pegada, elimina um dos maiores problemas dos notebooks gamers: a vida útil deles.

A máquina também tem algumas linhas diferentes, que devem ditar a tendência do segmento de notebooks gamers, inclusive de outras marcas. É um PC bem bonito, para ser sincero. E poderoso.

O Area-51m terá opções com os processadores de 9ª geração da Intel, incluindo o i7-8700, i7-9700K ou o i9-9900K – todos CPUs de desktops. A placa de vídeo é a Nvidia GeForce RTX 2080 – e não trata-se do modelo para desktops, mas a placa tradicional que pode ser colocada em desktops.

Os consumidores poderão brincar com o overclock via Alienware Command Center, um software da Dell para facilitar o controle de potência da máquina.

Acompanhe nossa cobertura da CES 2019

Para fazer os upgrades, os usuários terão que procurar por componentes que sejam compatíveis com o chipset Intel Z390.

Sam Rutherford/Gizmodo

O Alienware Area-51m começa a ser vendido no dia 29 de janeiro nos Estados Unidos nas cores preta e prata, com preços a partir de US$ 2.590. Por este valor, essas são as especificações: processador Intel i7 de 9ª geração, 8GB de RAM, NVIDIA RTX 2070, 1TB de armazenamento e tela 1080p com taxa de atualização de 60Hz.

De acordo com o diretor de marketing da Dell no Brasil, Sidney Zamel, o produto chegará “muito em breve” no País. Ainda não há informações sobre preços, mas sabemos que será um produto caríssimo.

Sam Rutherford/Gizmodo

Siga o Gizmodo Brasil no Instagram para acompanhar curiosidades e as últimas novidades da CES 2019!

O jornalista viajou para Las Vegas a convite da CTA, empresa que organiza a CES.