A Alphabet, subsidiária dona do Google, dormiu na quinta-feira (16) como uma empresa que vale mais de US$ 1 trilhão. Das grandes, a companhia era a única que não tinha atingido esta marca, que conta com empresas como Apple, Amazon e Microsoft.

Como pontua o Guardian, as ações da companhia de Wall Street tiveram alta nesta quinta-feira fazendo com que cada ação valesse US$ 1.450,16 — em 2004, quando fez sua abertura de capital na bolsa, a ação da companhia valia US$ 85. No fim das contas, ao multiplicar isso pela quantidade de shares, a Alphabet conseguiu entrar no rol de empresas trilionárias.

A notícia em si mostra que a empresa parece ser uma boa alternativa para os investidores.

Fora isso, o anúncio vem um mês após o comunicado de que os dois fundadores da companhia deixarão as atividades do dia a dia com Sundar Pichai, que é CEO do Google e acumulará a função de CEO da Alphabet.

O New York Times nota que com o tempo o Google, a principal empresa do grupo, passou a exibir mais propagandas na busca, retirou dinheiro de empresas como o YouTube e investiu em seu negócio de computação na nuvem, o Google Cloud.

O marco de US$ 1 trilhão também vem com o escrutínio comum de quem fica grande demais. A empresa tem sido alvo de reguladores, sobretudo na Europa, devido ao seu domínio em diferentes áreas, pela forma como lida com dados dos usuários e por polêmicas relacionadas à desinformação e discurso de ódio em suas plataformas. Sem contar que internamente a companhia teve que começar a lidar com a insatisfação de funcionários por causa de projetos ligados a governos e de uma possível versão censurada da busca do Google para funcionar na China.

Apesar de ter o Google como a principal empresa da subsidiária, a Alphabet atua em diversos setores. Com a DeepMind, o foco é em inteligência artificial; enquanto a Sidewalk Labs tem iniciativas no ramo de cidades inteligentes. No setor de ciência tem ainda a Verily, e o Google Fiber, que fornece acesso à internet ultrarrápida em algumas cidades dos EUA.

Agora, resta saber quanto tempo a empresa manterá este valor de US$ 1 trilhão. Como o mercado de ações varia a toda hora, pode ser que a empresa tenha redução ou cresça ainda mais. A Amazon, por exemplo, chegou a US$ 1 trilhão em setembro de 2018, mas atualmente está com valor de mercado na casa dos US$ 940 bilhões.