Nós falamos a respeito da raiva litigiosa da Guilda dos Autores sobre o recurso texto-para-voz do Kindle 2, sobre isto violar os direitos autorais de livro áudio. É uma postura meio dúbia, mas a Amazon cedeu ao letrado homem.

A Amazon recuou mais para o conforto da Guilda do que por qualquer motivação legal, já que fica bastante claro que uma leitura robótica não é exatamente a mesma coisa que um livro áudio. “Nós acreditamos fortemente que muitos detentores de direitos ficarão mais confortáveis com o recurso texto-para-fala se estiverem no banco do motorista”, diz a Amazon.

Mas em vez de remover o recurso, a Amazon simplesmente o tornou opcional, assim os autores podem decidir sozinhos o que é melhor para a propriedade deles. Isto significa que é pouco provável que o recurso tão anunciado (mas não necessariamente tão amado) será muito útil para os usuários do Kindle 2. Não ficamos muito empolgados com isto, já que a Guilda não tem nenhum esteio legal real sobre o qual se sustentar e parece precisar mais da Amazon do que a Amazon dela. Mas, pensando bem, não somos autores presunçosos. [CNET]

Ei, eu sou um autor presunçoso e digo que isto é baboseira! – JC