Evidências de incesto e endogamia foram descobertas em um cemitério irlandês pré-histórico reservado para a elite, mostra um novo artigo que mais parece uma subtrama de Game of Thrones.

Uma nova pesquisa publicada na Nature investiga os perfis genéticos de 42 pessoas do período neolítico da Irlanda, juntamente com dois indivíduos do período mesolítico anterior. Datado entre 5.500 e 4.000 anos atrás, esse foi um estágio crucial na história da região, pois os estilos de vida agrícola gradualmente substituíam a caça, a forragem e a pesca.

Um homem adulto, enterrado no túmulo de Newgrange, tinha DNA consistente com o incesto de primeiro grau, o que significa que seus pais eram irmãos ou possivelmente pais e filhos. Os autores do novo estudo, liderado por Daniel Bradley do Trinity College Dublin, dizem que esse indivíduo provavelmente era um membro da elite social dominante, que usava o incesto como uma ferramenta política.

“Eu nunca vi nada parecido. Todos nós herdamos duas cópias do genoma, uma da nossa mãe e outra do nosso pai”, disse Lara Cassidy, também do Trinity College e principal autora do artigo, em um comunicado. “Bem, as cópias desse indivíduo eram extremamente semelhantes, um sinal revelador de consanguinidade íntima. De fato, nossas análises nos permitiram confirmar que seus pais eram parentes de primeiro grau.”

Foto de interior de tumba, com rochas empilhadas.Uma parte interior do túmulo da passagem de Newgrange. Imagem: L.M. Cassidy et al., 2020

O túmulo da passagem de Newgrange é um monumento neolítico de 200 mil toneladas, construído há cerca de 5 mil anos atrás. Ele foi feito cerca de 500 anos antes de Stonehenge e das pirâmides de Gizé. Como outras tumbas de passagem, apresentava uma grande câmara, um monte coberto e uma longa passagem para o interior da estrutura, que hospeda uma cripta.

A tumba de passagem de Newgrange — um local do Patrimônio Mundial da Humanidade das Nações Unidas — é famosa por seu alinhamento solar anual, no qual o nascer do solstício de inverno ilumina sua câmara interior. Duas tumbas semelhantes ficam nas proximidades do complexo de cemitérios Brú na Bóinne, no condado de Meath, na Irlanda.

Hoje, a reprodução entre indivíduos intimamente relacionados — especialmente irmãos e irmãs — é um tabu generalizado.

Os costumes sociais durante o Neolítico não eram tão diferentes, exceto entre as elites dominantes, que praticavam essas uniões familiares para se diferenciar da população em geral, reforçar sua posição no topo da hierarquia social e manter sua autoridade real. Arranjos semelhantes foram vistos mais tarde entre os reis-deuses incas e os faraós egípcios, muitos dos quais eram consanguíneos.

O incesto, quando combinado com os túmulos monumentais como a passagem de Newgrange, levava à nação uma mensagem poderosa sobre a duradoura legitimidade política de uma família real.

Foto de interior de tumba com o Sol entrando por um pequeno buraco ao fundo.Sol do solstício de inverno brilhando na câmara sagrada da tumba de passagem de Newgrange. Imagem: L.M. Cassidy et al., 2020

“O prestígio do enterro torna muito provável uma união socialmente sancionada e fala de uma hierarquia tão extrema que os únicos parceiros dignos da elite eram membros da família”, explicou Bradley.

Outra coisa fascinante da nova pesquisa é o poder da tradição oral. Uma tumba vizinha, agora chamada tumba da passagem de Dowth, era conhecida como Fertae Chuile no idioma irlandês médio (entre 900 e 1200 d.C.), que se traduz em “Monte do Pecado” ou possivelmente “Monte do Incesto”, de acordo com o novo artigo. Há também uma história do século 11 da região na qual um “rei dos construtores reinicia o ciclo solar diário copulando com sua irmã”, escrevem os autores.

Os genomas para o estudo foram coletados em outros locais irlandeses, incluindo a tumba do portal de Poulnabrone, a mais antiga estrutura funerária conhecida na Irlanda.

Aqui, os pesquisadores descobriram evidências genéticas extraordinárias dos restos de uma criança do sexo masculino: trissomia do cromossomo 21, também conhecida como síndrome de Down. Essa descoberta, segundo o conhecimento dos autores, agora “constitui a primeira descoberta definitiva de um caso de síndrome de Down”, de acordo com o estudo, em uma descoberta que antecede as evidências anteriores dos séculos 5 e 6 d.C.

A análise isotópica sugere que o bebê foi cuidado, como evidenciado por uma assinatura consistente com a amamentação. Curiosamente, a condição genética da criança não impediu um enterro em um túmulo reservado às elites.

Evidências de DNA de outros indivíduos encontrados em túmulos próximos apontaram para um grupo amplo de parentes que se perpetuou no poder por cerca de 500 anos.

O novo artigo também mostra como as populações agrícolas da Europa continental gradualmente substituíram os caçadores-coletores.

Ao escrever em um artigo associado na seção News and Views, Alison Sheridan, uma pesquisadora associada do National Museums Scotland que não estava envolvida com a nova pesquisa, disse que o surgimento de novas sequências genômicas “indica a chegada na Irlanda de pessoas de outros lugares, em pelo menos 3800 [a.C.], e é consistente com a ideia de que a agricultura foi trazida para a Irlanda por imigrantes. Essas pessoas eram geneticamente afiliadas à população neolítica da Grã-Bretanha e suas raízes estão na Europa continental.”

Dito isto, a população indígena não foi exterminada, mas gradualmente absorvida pela população agrícola que chegava, de acordo com as novas evidências genéticas.

Sheridan disse que o novo artigo é “fascinante e inestimável”, mas ela acredita que os autores foram exagerados ao sugerir que os agricultores da Irlanda vieram da Ibéria (Portugal e Espanha), dadas as semelhanças no DNA dos dois grupos antigos.

Como ela escreve, não há evidências arqueológicas para essa afirmação. Em vez disso, “a arqueologia aponta para a área de Morbihan, na Bretanha, no noroeste da França, e para a região de Nord-Pas de Calais, no norte da França, como a melhor área de origem dos agricultores imigrantes da Irlanda — com os do norte da França provavelmente chegando na Irlanda pelo norte da Grã-Bretanha.” Sheridan apontou para evidências recentes que reforçam essa hipótese.

Com essas questões à parte, o novo artigo fornece uma riqueza de novos dados, lançando uma nova luz sobre o período neolítico da Irlanda e as estruturas de poder em jogo durante o início da era agrícola.